quinta-feira, 1 de março de 2007

O Bar do Escritor

Eu passeava pelo iorGut numa comunidade de poetas. Num tópico o autor pedia comentários. Atendi:
"Não gostei do seu poema, cara, tá confuso e sem sentido."
O sujeito se encrespou:
"Idiota, o poema é ótimo e diz muita coisa!" Foi a resposta.
Comentei, então, sobre um conto numa sala de literatura.
"Tá jóia, mas há erros de português".
"Dane-se" - Retrucou o outro. - "Eu escrevo do geito que quiser."
- Jeito não se escreve do jeito que a gente quer. - Pensei em voz alta, relembrando a frase de meu pai para aprender a escrever a palavra. - Se fosse, seria com o G da gente!
Oras, será que esses escrevinhadores interNérdicos já são ególatras o suficiente para não aceitar opiniões alheias? Estúpidos. Não sabem que é na adversidade que se cresce.
Decidi, então, criar a minha própria comunidade. Um lugar onde os textos pudessem ser criticados sem nenhuma censura nem apreensão em ofender o autor. Onde?
- Só num bar se fala verdades na cara sem receber impropérios.
Criei o Bar do Escritor. Fiz uma pequena propaganda e logo algumas pessoas entraram.
"Como você tem coragem de escrever algo assim?" - Foi minha doce crítica a uma das primeiras crônicas.
"É verdade"- Respondeu - "preciso melhorar."
Fiquei surpreso. E adorei. Existem outros que, como eu, não se consideram a última cerveja do freezer.
Quase dois anos se passaram. As discussões no bar pelavam os desavisados, assustando os excessivamente sensíveis e atraindo todos aqueles que gostavam de falar a verdade. Escritores, leitores, fakes*, críticos, pensadores, chatos, ateus, neuróticos, até pessoas normais tornaram a comunidade um ambiente agradável porém jamais impassível.
Meio viciado no prazer de conversar sobre literatura, resolvi difundir o que fazíamos, afinal, a mim era tão interessante opinar sobre os textos dos colegas e ter minhas próprias coisas sinceramente analisadas por eles que, num arroubo, programei um ezine dos debates e um blog diário para resenhas dos membros. Tudo gratuito, utilizando recursos da rede.
- Agora escrevo do jeito que quiser! - Exclamei, em voz alta, ao finalizar a organização. - Afinal, não quero que comadres literárias elogiem minhas coisas sem verdade e me deixem na pose ridícula de satisfeito com minhas letras se, ao contrário, eu houver cometido besteira. Bons amigos criticam os erros!
Alcançaremos algum resultado neste meio tão hermético?
Já alcançamos! Caminhamos sobre nossos próprios passos. Concordamos e discordamos percebendo que, independente do gosto pessoal de cada um - que, na verdade, é como bunda, cada qual com a sua - somos mais fortes quando unidos, mais interessantes em grupo e muito mais divertidos quando criticamos algum cretino do que quando elogiamos um bom texto.
Este é o Bar do Escritor. Um lugar sem censura, sem dinheiro, sem puxa-sacos, sem editores absolutos e, principalmente, sem inverdades.

Giovani Iemini,
o barmam.

* Fake - falso, em inglês, é um personagem criado para esconder a identidade real, muito popular no Orkut. É a versão virtual dos pseudônimos.

21 comentários:

Eduardo Perrone disse...

Gigio...!
Eu podía jurar ,que na tua peça de estréia, você versaría sob o BDE em sí...rs
Não me enganeí , e, o motivo é simples. Se, dos Grandes Textos , a inspiração é o "combustível", ela , coerentemente , te sería a mola-mestra da criação do BDE. É isso... Criador e Criatura. E que bom que os descobrí.

Beijo Grande.

Edu

Lameque Hyde disse...

Caro Giovani.


Nada mais apropriado do que um texto inaugural dissetando sobre a natureza do Bar. É isso "mermo"! cada um que escreva do "geito' que "kizer"!

Só discordo com relação as bundas. Com a advento do silicone, bundas fakes abundam por aí.

Amplexos Lamequianos.

Lameque Hyde disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thin White Duke disse...

texto de grande valor histórico para os bebuns do bar. é isso mesmo que você falou, na adversidade é que se cresce. eu não consigo entender como uma pessoa quer que seu texto seja unânime em elogios? nenhuma crítica... será que ele se acha tão foda assim mesmo?
Fale a verdade, doa ou não doa, é a essência do Bar do Escritor.
mto boa estréia Gigio!
flew!

André Espínola

Muryel De Zoppa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Muryel De Zoppa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bernardo Tonasse disse...

Que iniciativa interessante. Realmente, não há nenhum outro território em que as pessoas sejam tão sensíveis, ou "ofensíveis". Favoritado.

Bernardo Tonasse disse...

Falta um link permanente para a comunidade no orkut.

Jussara Gehrke disse...

Giovani,
obrigada por sua visita e pela correção!

vim aqui dar uma espiadinha e gostei!

Ju

douglas D. disse...

instigante...

Alessandra disse...

Cara, belo testo, ops... texto, para a estréia. e muito bem escrito. obrigou-me a oferecer-te um chimarrão, embora estejamos num Bar.

Deveras disse...

O Gênese do BDE... Giovani, taí uma coisa que sempre quis te perguntar. Demorei com a pergunta, mas a resposta veio da melhor forma e hora.

E vamos "nóis"!

fiquemnapaz!

Cristiano Neto - o "Deveras"

Klotz disse...

Parabéns Gigio!
Mais uma etapa vencida. Gostei da sua fala inaugural. Em cima de terno e gravata compondo a foto de estréia. Em baixo, bermuda e chinelo de dedo. A cabeça conduz e o corpo trabalha. Discurso e colher de pedreiro.
Parece estar tudo nos seus devidos lugares. Há detalhes, que, por serem detalhes serão resolvidos no devido tempo: o cheiro da tinta ainda está um pouco forte e falta papel higiênico no banheiro.
O mais importante é a força de vontade para agregar e unir pessoas com interesses comuns.
Que venham as bebidas e que venham os bardos!
Que o bar esteja sempre lotado! Saúde!

Bardo disse...

Miguel do Rosário fez anúncio do BDE em seu blog Óleo do Diabo:
http://oleododiabo.blogspot.com/
[]s

Me Morte disse...

Gigio, tu entrou com tudo cara, arrebentou! Eu tentei advinhar o que você faria, mas não deu.Claro! Que assunto melhor para início das bebedeiras que o proprio Bar? Eu te dou os parabéns pois sei o que é expectativa,a minha tá sendo brava parceiro, já percebeu não é?
Um grande beijo.

lena casas novas disse...

A primeira postagem a gente nunca esquece! Eu acredito no Ezine.Para mover motanhas é preciso ter um pensamento a 5 jogadas a frente.
Sucesso!!

LuccyInTheSky disse...

Gostei e certamente voltarei!
All the best!

thiaho disse...

Giovani,Giovani...antes que voce exclua meu comentario pelos erros de acentuacao e aviso logo, respira...inspira, pois meu teclado ainda esta desconfigurado.
Entretanto, seu texto esta indiscutivelmente com a gramatica perfeita, o que ja esperava,confesso sei reconhecer uma obra de mestre. Nao te falta palavras, e nem sabedoria ao construir um texto, seja poema, poesia, e sempre muito bom de se ler, apesar de eu ter minhas preferencias entre teus textos. Claro, nao se pode sempre manter a mesma qualidade, mas dificilmente voce desce. Fiquei pensando, tem razao o bar nao tem puxa-saquismo, e por isso ainda estou a postar meus textos de baixo calao e mau gosto na comunidade que criou. Mas como tambem nunca tive rabo preso com ninguem, em verdade a verdade nos liberta, entao vou liberar as minhas expressando minha opiniao sobre o autor.
E um cara arrogante, pretencioso e perfeccionista, fora isso nao vejo humildade suficiente neste homem para reconhecer isso nele mesmo, sei que nao e tao facil fazer uma analise de cabo a rabo em si mesmo, como e simples para voce realizar em qualquer texto. Mas mesmo assim, nao deixa de ter o talento por causa dos defeitos. Atingiu um nivel intelectual excelente, tem minha admiracao pelos seus feitos. Apenas sugiro uma breve reflexao(nem vai tomar teu tempo, pois seu raciocino rapido nao iria admitir),quando for comentar algo alheio ou fazer qualquer comentario sobre o proximo, tome cuidado, pois a verdade sobre os fatos e o desdem e a ma postura diante social, seguem por caminhos diferentes esteja onde estiver, tendo a dosagem certa de suas conviccoes, colecionara amigos e cada vez mais respeito por seus admiradores, seu relacionamento com quem esta do lado de fora de seu universo, sera preservado e disputado....isso meu caro, nois num le, se aprendi vivendo.

Parabens, desejo sucesso ao bar, e muito bom seu texto, o que ja nao e novidade.

thiaho disse...

ah! e nao e desdem com M e sim com N! mas voce ja sabe, so nao sabe que meu teclado ta uma bosta!.

Eliane Alcântara. disse...

Giovani, parabéns atrasados pelo texto e pelo sucesso do Bar. Tim-tim!!!!

Véïö Chïñä‡ disse...

O Barman costumar zanzar por comunidades de escritores malditos e fazer o convite para que viessem postar no seu Bar. E eu me lembro que em junho/2006 e alguém veio aqui e, olhou pra este estabelecimento e ele estava com 64 membros, mas, os participantes ativos não somavam mais que dúzia e meia e, ele entao pensou "vou lá, tentar agitar um pouco essa porra" e veio aqui e fez um pandemônio do cacete, xingou todo mundo e por todos foi xingado e isso deve ter atiçado em parte todos tipos de escritores,malditos ou não, bons ou não mas, que cortam como a navalha. Mesmo assim,alguns tentaram moldar o Bar a sua forma arcaica de ver e respirar a literatura, mas, pra sorte dele (Bar), não deixaram.
Sucesso meu caro Gigio.