sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Desencontros


Rumos perdidos
Nos destinos desfeitos
Por uma desilusão
Do desamor

Desencontros
De mentiras inacabáveis
Separam vidas
Por um instante
E você tenta novamente
Nas armadilhas de seu poder

Rumos perdidos
Em nossos mundos
Eu encontrarei o meu eu
Esquecido da vida
Para sonhar e amar
Nos destinos guardados
Em dias melhores

Um comentário:

Fernando disse...

Esta poesia é bonita do ponto de vista humano. Tem sensibilidade.

Cada verso cita remete a situações que com certeza tocarão as pessoas de alguma forma. Há jogo com sentimento e com o tempo, decepção e esperança, passado e futuro.

Porém, merece um pouco de atenção quanto à técnica. Alguns versos quebram o ritmo da poesia, são longos e ficam fora de uma métrica mais harmônica. Mas gostei de lê-lo!

Kison! (Beijo, em esperanto. :-))