sábado, 12 de abril de 2008

Perdas e Dados

Das certezas
Meio incertas
Acerca das perdas,

Perdemos coisas
Perdemos amigos
Perdemos dinheiro
Perdemos tempo
Perdemos amantes
...
Desde que nascemos
A vida é perder...

Mas chega a vez
Dos dados memoriais
Da velhice,

Quem é você
Quero ver minha mãe
Não quero dormir

Na singularidade
Do ser,

Tudo se soma.

Um comentário:

Fernando disse...

Paradoxal!

Gostei muito! Começa bem, parece perder o fôlego no meio, no fim, porém, vence: medalha de ouro.