segunda-feira, 16 de junho de 2008

Íntimo


Senhoras e senhores
é com embaraço que apresentamos
um novo espetáculo:
“Temores mais íntimos”
agora com vocês no palco!

Os pequenos grãos
que me apavoram
feito pedra no rim
começo a pontuar
agora, por favor
não riam de mim

Estremeço
quando a mentira
me encara os olhos
e sorri

Tenho pânico
das estacas de adeus
que ainda estão
por vir

Quando os morangos
se extinguirem
e a folha em branco
permanecer intacta

E músicos, pintores
dançarinos e poetas
decidirem greve geral

Temo os infelizes
que sangram
e os santos que não salvam
ninguém

Confesso meu pavor
de ganso, dos maus
e da solidão também

De não ter vontade
de banho de chuva
janela aberta e
vento na face

Saia bonita
ornando colares

O que farei
se o riso quiser brincar
de esconde-esconde
e não conseguir encontrar?

E se acabar a água no mundo
e não puder mais coar café
de que adiantarão os diamantes
do que servirá seguir com fé?


Barbara Leite

2 comentários:

Angela Gomes disse...

Bacana, Bárbara. A esperança é de que sempre haverá algo a inspirar algum poeta.

Daisy disse...

Bom é sentir que ainda que se acabe tudo, o poeta co-existirá com o nada, refazendo aos poucos tudo, tudo.
Lindíssima poesia. Encantada.