sábado, 6 de setembro de 2008

O Halterofilista



"Babacas..." - resmungava, ao ouvir as piadinhas sem graça - sempre havia alguma nova no inesgotável anedotário dos amigos otários - pejorativamente alusivas às supostas atrofias peniana e cerebral de quem se dedicava à comprovadamente saudável atividade de levantar pesos.
Poderia resignar-se, aceitar os gracejos, acomodar-se, mas não! Não jogaria a toalha sem lutar. "Retroceder nunca, render-se jamais!" - como diria Mestre Jean-Claude Van Damme. Primeiro, ao Sex Shop. Comprou uma bomba Big Pênis movida a ar comprimido. Depois, rumo à livraria. Adquiriu nada mais nada menos que sessenta livros, mais precisamente sessenta calhamaços, todos clássicos da literatura universal; "Os Irmãos Karamazovi", de Dostoiévski, era o menos volumoso. "É possível desenvolver qualquer parte do corpo humano, basta exercitar.", dissera o treinador. "Agora, eles vão ver quem é o anjinho barroco com cérebro de formiga...", pensou, satisfeito com sua genialidade. Pegou a pesada panela de ferro fundido, no fundo da qual mandara soldar uma barra de aço maciça. Dividiu os livros em duas pilhas iguais, amarrando-os, em blocos, às extremidades da barra. Acoplou a bomba ao pênis e a panela à cabeça. Enquanto o ar pressionava dolorosamente seu pinto, flexionava os joelhos e fazia abdominais. Sua cabeça doía, mas prosseguiu, firme. Minutos depois, já sentia os efeitos dos exercícios. "Ah, então é isso!" Lembrou-se de haver lido em algum lugar algo sobre exercícios literários. Três horas mais tarde, saiu à rua para caminhar. Apesar do pau e da cabeça doloridos, estava feliz. Era um novo homem, um misto de Arnold Schwarzenegger, Long Dong Silver e Machado de Assis.

Carlos Cruz - 05/09/2008

2 comentários:

Thiago De Sousa disse...

Muito bom o blog e o site, conheci pela comunidade Encontros de Poesias. Parabens.

Senhor pseudo-anônimo, vulgo pseudônimo.. disse...

legal, cara.
Leia meu blog, quem sabe fazemos uma parceria?