quarta-feira, 7 de janeiro de 2009


VAGINA


------------------------------------------Eduardo Perrone..........................


Quase sempre

Essa gente imagina

Saber onde nasce

A vagina.


Mas não o sabem.


Nasce na descoberta

Da menina,

De que a fenda aberta

É quase uma certa sina,

É quase um atestado de gênero,

Genericamente

Falando.



E se é de orgão sexual

Que pensem que estou falando,

Eles erram novamente.

E novamente não o sabem.



Quantos mundos

Numa vagina cabem...?

Ouço falar de penetrações múltiplas,

E de céleres desculpas

Que afirmam o que não foi.

E fica, então,

A vagina como ilustre desconhecida.


Que gosto tem?

É de onde sai o neném?

Porque os pelos?

Precisava ser vazia...?



A vagina

Arrepia

Quem dela nasceu.

Quem a cheirou,

Degustou

Sentiu

Percebeu...


A vagina nasceu

Quando morreu

A última mulher

Que não a percebia.

Quando essa mesma mulher

Agonizava na primazia

De ser, tão somente, mulher

E nada mais.

2 comentários:

Deveras disse...

Don Perrone, mostrando mais uma vez o domínio do tema (sim, neste caso a dubiedade é intencional!).

ficanapaz

Ro Primo disse...

O texto é interessante, mas não é um dos melhores do autor, mas não posso comparar ele tem cada texto maravilhoso...

Não gostei da foto dessa maça bem do lado da minha. rsrs