sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Cálice de Adversidade

(Sonia Cancine)
.

A margem da estrutura social
Eu tento digerir
O que se impõe nas caldeiras ferventes
Das relações existentes.

Cozidos os destemperos
Sobram as porções carnudas
Para o prazer da gula animal.

Desmancham-se nos caldeirões
Aos borbotões olhos tristes
No regalo de perdas infindas
Onde deveriam nascer canções.

Embriagada pelo sentimento de saudade
O amor jazido entoa palavras jogadas ao vento
Buscando a brisa suave
Na esperança de que esta enleve
E abrande as cinzas do lado sombrio d’alma
Corrompida pela dor.

Sou livre sou pássaro
Que no alto de vôos imaginários
Deste inverno triste, aguardo os raios de Sol
Pousar e aquecer os quintais humanos
Para que me tragam de volta o brilho do olhar.

Olhar que se perde ao longe
E reflete a expressão de anseios

Inebriando-me no mais absoluto Silêncio d’Alma.

Assim num ritmo cigano
Ao som de pandeiros e violinos
Representando o júbilo do Sol
Embainhada de lenços eu danço
Um lamento arcano

E aos poucos revelo tão somente
A beleza e o poder da dança
Como forma de oração
E me basto neste instante.

Tal como filha do amor
Neste cálice de adversidade
Ao que o mundo se destina

Ao dançar manifesto desejo, sentimentos e sonhos
Movidos pelo deslizar dos lenços tristes pelo ar
Num transe livre e musical como o vento

Numa tentativa de envolver e fortalecer teu coração.

2 comentários:

Me Morte disse...

Uma força muito grande vc passa aqui. Além de belo!

IndiaOnhara disse...

Obrigada, Me
por assim perceber e sentir.


beijos
tum tum tum