quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Estranho


“Sonho no chão e um dia uma estrada. Um estranho silêncio na rua. Um incêndio calado no homem que passa por mim”
Lô Borges


....

Eram olhos desesperados de paralelepípedos
vasculhando restos de sonhos pelo chão

Imaginei tempo demais
deixando-os esquecidos

Me debrucei da janela
e tentei o meu maior sorriso
ofertado em aquarela

Mas ela não podia ver
além das pernas cansadas
pisoteando o que amava

Eu não sabia que sonhos naufragavam
no asfalto

Perguntei o que a vida lhe fez
cantando outubros que virão
E supliquei em silêncio

Mas eram passos de última vez


“Sonho no chão e a festa não apaga o estranho silêncio na rua” Lô Borges


Barbara Leite

4 comentários:

Rodrigo Bentancurt disse...

Aterradoramente bem construído e belo. Segui-los-ei.

Erika disse...

texto bonito, forte e honesto.
gostei.

Jessiely Soares disse...

fan tás ti co!

Reflexo d Alma disse...

Adoro Lô Borges...
...Mas eram passos de ultima vez...
pra pensar...

Bjins entre sonhos e delírios