terça-feira, 13 de outubro de 2009

Domínio


Nesta noite tão fria,
Partículas pulsam quentes em meu corpo.
Me torno imprevisível: instabilizo, devasto;

Afloro em potencial perigo,
quase desejável.

Mesmo assim
O frio insiste.
E me toca.

Do estado de dormência
latente que me encontro,
Posso passar ligeiramente
ao estado altivo do vulcão
prestes a uma erupção.

Mas com sua indiferença,
o frio conseguiu.
Me domar.

E o restante
da noite continua.

Tão frio.


(Ro Primo)

2 comentários:

Aprendiz disse...

Que maravilha!!! Arrepia de tão bom!

Anaconda de Dheuss disse...

Muito bonito. interessante.