quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Lugar Comum

Vou usar e abusar do chavão:
Fazer todo um poema de rimas
Desgastadas, cansadas, cretinas.
Vou rimar “coração” e “paixão”.

Vou usar só palavras banais,
Desfiar rimas burras e pobres
Até que nenhuma mais sobre
No meu velho e surrado Houaiss.

Vou fazer construções qualquer-nota,
E usar, sem ter medo nenhum,
Um milhão de lugares comuns
E as hipérboles mais idiotas.

Não faz mal se for tudo clichê,
Pois no fim resta salvo o poema
Se tiver algo raro por tema
E esse algo, mulher, for você.

7 comentários:

FláPerez (BláBlá) disse...

sabe o que reparei, e por isso gostei mais ainda?
do final "a lá Wando"!

Allan Vidigal disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!
Wando é sacanagem!

Lúcia Gönczy disse...

Bem... com ou sem Wando, amei!!! mas que tá meio fatal, isso tá.

Anderson P. da Silva disse...

Nossa, que poemaço.
Não deixa de ser um tapa no rosto dos convencionalismos.
Parabens!

eliane disse...

Já lido! Divertido e bem humorado, lembrando do comentário da Ingrid sõbre flor e dor . Ou coisa assim ...Mas Wando não ! rsrsr

Sofia disse...

os melhores entre os melhores são escritos assim... a sombra de um arvoredo emocional.Adoro!!!

Imagem e Poesia disse...

Adorei seu escrito, tudo!
Gostei muito deste espaço e já entrei para a "comunidade".
Beijinhos