terça-feira, 6 de abril de 2010

Coloquiais Ponderações Catártico-Genitais ou A Dialética da Vulva




Subitamente, de repente e sem aviso prévio, minha vagina desembestou a falar. O fato, por mais curioso, inusitado e estapafúrdio, deu-se. Ainda que inacreditem, questionem ou recalcitrem, deu-se. Deus, se incendiário não fosse, materializar-se-ia, cheio de pompa e circunstância, em rubra lâmpada incandescente e, prosopopeicamente, corroboraria minha história. Mas fatos são fatos e jamais deixarão de sê-los, não obstante controvérsias e contradições. Numa noite fria de sábado, no interior de um motel tradicional, sobre um leito redondo tradicional, um colchão redondo tradicional, forrado com alvo e tradicional lençol, debaixo de um espelho um tanto baço mas não por isso menos tradicional, tendo como testemunhas oculares, vaginais, anais, orais, notada e dotadamente penianas, Mandingo, Rocco Sifredi, Katja Kassin e a mulher-tigre de pele morena, imóvel e emparedada, cujo olhar felino e selvagem penetrava perscrutadoramente até a mais gélida alma dos copos baratos de vidro vagabundo e transparência perdida, ocasionando calafrios nas garrafas de cerveja transpirantes, minha semi-depilada vulva tagarelou sem pudor e sem papas, mesmo porque papas e bocetas, desde que o clero é clero, não combinam. O efeito foi devastador, uma excitação invertida. Deu-se que, falante, minha vagina não se deu nem se comeu. Explico. Artur, há dias e dias e outros tantos dias, papeava-me - no meio moderno - ou cortejava-me - no todo arcaico - arremessando, ora plácido, ora impetuoso, todo seu auto e árduo charme cafajeresco. Cavaleiro real, cavaleiro medieval, cavaleiro templário, jamais cavaleiro com agá a mais, muitas ocasiões cavaleiro sem eiro nem beiro, só ó sem acento e provido de ferraduras, duras ferraduras que machucavam, deliciosamente. Ora alazão, ora pangaré, chucro, sempre. Eu, cá em minha sagacidade feminina - pois todas as fêmeas, mesmo as auto-renegadas, possuem essa qualidade - adocicadamente recusava-lho sem recusar-lho, permitindo furtivas olhadelas, alvissareiros vislumbres de paraísos terrenos e gozos celestiais. Ele, por sua vez, qual lobo cuja voracidade não se aplaca com qualquer torresmo de porquinho-da-índia estragado, investia, arremetia e de novo investia, acrescendo ímpeto. Por fim, considerei oportuno o momento e, sem resistência - estava louca pra dar pra ele - deixei-me conduzir ao quadrado espelhado dos prazeres da carne. Estirei-me, escancaradamente nua, com as pernas descaradamente abertas, desabrochei-me perfumada e lúbrica, convite róseo e úmido, inescusável. Artur, todo suor e saliva, mal dissimulando seu atabalhoado ardor, chegou-se. Cerrou os olhos visando melhores aspirações, como o sommelier prestes a provar o vinho nobre e raro ou - cinzas, saco, silício, autofustigamento! - o devoto apostólico antes de bebericar "la sangre de Jesucristo". Lá do alto, meu cérebro pedia: "Lambe!", os mamilos túmidos de meus seios bombados imploravam: "Lambe!", meus lábios rubros e retorcidos suplicavam: "Lambe!". Artur expeliu um, dois, três palmos de uma língua muito vermelha, convulsa, frenética - soube depois, explico já - cuja afilada ponta aproximava-se vibrante de meu clitóris latejante. Foi quando minha encharcada vagina gritou: "Lambe, porra!!!" Uma voz rouca, quase gutural, que reverberou pelos seis lados do cubo, fazendo Artur dar um salto, uma pirueta desengonçada, um ornamental tosco, um mortal - gracias, Madre de Dios! - sem morte. Ele mirou de frente, de lados, detrás, olhares oblíquos, retos, diagonais, parabólicos, hiperbólicos, vasculhou cômodos com minúcias, sempre a interrogar aquele que julgava ser o emissor da ordem desobedecida: "Quem está aí? Apareça!" Eu, sem nada entender, sem nada atinar quanto à origem da voz de trovão, sentia os calores de minha recém-olvidada boceta esvaírem-se, pouco a pouco, de quente úmida, passando por tépida menos úmida, atingindo o nível fria quase seca. Quando as descargas elétricas provocadas pela nervosa tensão já se podiam divisar, eis que irrompe, mais uma vez, a tonitruante, desconcertante, brochante voz: "Tá procurando o quê, gostosão? Para com isso e vem cá continuar o que você não começou! Viemos aqui pra foder ou pra brincar de pique-esconde? Vem esconder essa pica aqui dentro de mim, vem!" Surpresa, estupefação, aturdimento, eu percebi, ele percebeu, não havia dúvidas, minha vulva falava, tagarelava com despudor, e, o que é pior, completamente desbocada e com farto uso de palavrões. Nervosa, fechei as pernas, ouvi grunhidos abafados, reabrí. Artur, olhos esgazeados e fixos em minha cona, aproximou-se, lentamente. Estacou ante nova abordagem. Era o início do colóquio.
- Tá, já sei, estraguei tudo, a foda já era... Bonitão, diz uma coisa, se eu ficar quieta, não soltar nem mais um pio, virar uma boceta-túmulo, você me fode? Ou pelo menos me lambe? Se você soubesse quantas vezes fiquei molhada por sua causa... Essa aí em cima tava louca pra dar pra você faz tempo... E aí, o que diz?
- Ma-mais... Como pode? I-isso é algum truque? - olhos na vulva, olhos nos olhos - Você é ventríloqua?
- Estou tão surpresa quanto você. - retruquei.
- Já ouviram falar em animismo, panteísmo, orfismo, pitagorismo, empedoclismo, platonismo, reencarnação, transmigração das almas, metempsicose? Outra coisa, podem, por favor, desligar a tevê? Esse papo e esse "fuck me" renitente não combinam.
Desligamos a televisão mas nada dissemos. Diante de nosso mutismo, ela assumiu um tom grave e didático. Prosseguiu:
- Segundo as teorias citadas, existe a possibilidade de a alma humana encarnar em outros animais e vegetais. É mais ou menos meu caso. Mais ou menos porque, apesar de não haver encarnado em animal irracional ou em vegetal, voltar à existência numa boceta, definitivamente, não se adequa ao conceito clássico de reencarnação, ainda que vaginas sejam feitas de carne. Concordam comigo?
Continuamos mudos. O reflexo da minha boceta no espelho, o movimento de seus grandes lábios - acho que nunca esse nome foi tão apropriado - enquanto argumentava, causavam-me uma espécie de deslumbramento. Não era uma boceta falante qualquer, era a minha boceta! E, além do mais, lúcida, razoável, inteligente, loquaz, malgrado o emprego constante de palavras obscenas. Mas, o que se poderia esperar de uma boceta falante? Polidez?
- Vocês não têm língua? Bom... pensando bem, eu não tenho e estou falando pelos cotovelos, digo, pelos grandes lábios. Ah! Deixa pra lá... Respondam-me, ao menos: querem ouvir as historias de minhas vidas?
Entreolhamos-nos, Artur e eu, mais uma vez. Meneei a cabeça, em sinal de aquiescência.
- Ótimo. Antes de começar, permitam-me que me apresente... Fui batizado Tomás de Torquemada e nasci no ano...
- O quê? - interrompi - Tomás de Torquemada, o cruel inquisidor espanhol? Não! Não pode ser!
- Não sou cruel! Não sou e não fui! Apenas cumpri meu dever, imbuído do poder que me foi conferido pelo Sumo Pontífice, o representante de Deus na Terra, que me nomeou inquisidor-geral e me dotou de autoridade para perseguir, capturar, julgar e condenar à Santa Fogueira, judeus levianos e muçulmanos dissimulados, todos hereges, feiticeiros, bígamos, sodomitas, apóstatas. À frente da Inquisitio Haereticæ Pravitatis Sanctum Officium, zelei por expurgar o mundo dessa raça maldita, extirpar os pecadores marranos da face da Terra, promover a purificação por meio do fogo, de modo que prevalecesse "la sangre limpia", os verdadeiros cristãos. Sou Tomás de Torquemada, o martelo dos hereges, a luz de Espanha, o salvador do meu país!
- Assassino! - gritei. Não podia ser verdade, era surreal demais, uma tremenda sacanagem, uma putaria do destino. Estava simplesmente apavorada, afinal, saber que minha linda, cheirosa, levemente testuda, apetitosa - palavra de quem provou - bocetinha era a reencarnação do mais atroz inquisidor que já passara pelo Santo Ofício não é uma informação fácil de assimilar. Bom, ao menos isso explicava o que anos de terapia não revelaram: meu incontrolável tesão diante de cenas de tortura com uso de fogo. Nunca vou esquecer o filme "O Nome da Rosa", não pelo elenco, roteiro, fotografia e tudo mais, que são ótimos, mas porque este filme me proporcionou um dos melhores, talvez o melhor orgasmo de minha vida, e, também, porque quase enlouqueci de vez... Mas e as outras coisas estranhas que me excit...
- Ah, você acha isso? Espere até saber quem foi minha encarnação seguinte...
- Meu Deus, ainda tem mais?... Não tenho estrutura pra novas surpresas estranhas... Nem pra revelações bombásticas... Vamos fazer o seguinte: amanhã você me conta, ok?
- Seria tarde demais. Ainda que talvez não compartilhem de minha opinião, lamento dizer que amanhã nada mais direi. Tive de usar todo meu poder de argumentação, tendo em vista a inutilidade de meu irresistível carisma, quando no Limbo estava, para convencer Aquele-Que-Tudo-Sabe-Tudo-Pode-E-Está-Em-Todo-Lugar-Ao-Mesmo-Tempo no sentido de fazer essa pequena e fugaz concessão, uma vez que meus anteriores pedidos se chocaram contra os tímpanos divinais, transmutados, naquele momento, em muralha de granito. Mas nem tudo estava perdido. Todos os céus, de alto a baixo, estremeceram com a gargalhada de Sua Excelência Toda-Poderosíssima quando ouviu minha derradeira súplica. Lembro como se fosse hoje de Suas santíssimas e rechonchudas bochechas vermelho-fogo e das palavras que disse: "Isso vai ser engraçado pra caralho!" Deus é um puta sacana, vocês sabiam?... Bom, mas voltemos ao que interessa, minha encarnação seguinte. Vocês arriscam um palpite?
- Nada é tão ruim que não possa piorar... Quem poderia ser? Ivan, O Terrível?
- Compreendo que não estou em condições de exigir nada, mas não me ofenda, por favor. Ivan foi um louco, um doido-varrido cujo único feito digno de louvor foi ter matado alguns muçulmanos quando conquistou Kazan. O homem no qual reencarnei foi, numa escala de importância, o segundo maior líder que já pisou a terra, só perde para Jesus Cristo e somente porque Ele era filho de Deus. Cá entre nós, considero as idéias desse segundo líder muito mais edificantes e interessantes que as do Filho de Maria.
- Jesus... Estou ficando preocupada... Não vá me dizer que minha boceta, além de Torquemada, também é a reencarnação de Stalin...
- Você tirou mesmo o dia pra me ofender! Não! Não fui aquele porco chauvinista!
- Tá. Então, fala. Quem você foi?
- Um homem inteligente, sensível, um artista que desde muito jovem demonstrava enorme talento com as tintas...
- Monet? Renoir? Pissarro? Degas? Van Gogh?
- Tá frio. Na juventude, para se sustentar, pintava paisagens e as vendia para mercadores...
- Sei lá quem é. Biografia de pintores não é meu forte. Seria Dalí, Picasso, Rembrandt?
- Bateu na trave de novo... Bom, vou fazer o seguinte, reproduzirei "in verbis" dois trechos de minha obra escrita que só não foi um best seller graças à interveniência de meus detratores, que eram gentinha, raça ruim... Escutem com atenção, depois me digam se descobriram quem fui... "As causas exclusivas da decadência de antigas civilizações são: a mistura de sangue e o rebaixamento do nível da raça, que aquele fenômeno acarreta. Está provado que não são guerras perdidas que exterminam os homens e sim a perda daquela resistência, que só o sangue puro oferece. Todo o que, no Mundo, não é raça boa é joio."
Suspendi a respiração, transpirei, estremeci. Ela, ele continuou. "Se os judeus fossem os habitantes exclusivos do Mundo não só morreriam sufocados em sujeira e porcaria como tentariam vencer-se e exterminar-se mutuamente, contanto que a indiscutível falta de espírito de sacrifício, expresso na sua covardia, fizesse, aqui também, da luta uma comédia. É pois uma idéia fundamentalmente errônea, querer enxergar um certo espírito idealista de sacrifício na solidariedade do judeu na luta ou, mais claramente, na exploração de seus semelhantes. Aqui igualmente o judeu não é movido por outra coisa senão pelo egoísmo individual nu e cru. Por isso mesmo, o Estado judaico - que deve ser o organismo vivo para a conservação e multiplicação da raça - não possui nenhum limite territorial. Uma formação estatal compreendida dentro de um determinado espaço, pressupõe sempre uma disposição idealista na raça, que ocupa esse Estado, antes de tudo, porém, uma compreensão exata da noção de 'trabalho'. A falta de tal convicção acarreta o desânimo, não só para construir, como até para conservar um Estado com limites marcados. Com isso desaparece o fundamento único da origem de uma civilização." - pausa. E aí, nada? Nem um palpite?
- Estou com medo de dizer o nome... Não me diga que você, além de Torquemada, foi...
- Adolf Hitler! O maior estadis...
- Não!!! Não! Não e não! - instintivamente, fechei as pernas. - Tudo menos isso! Saber que minha boceta é a reencarnação de Torquemada, mesmo a contragosto, dá pra engolir. Agora, Adolf Hitler! O maior genocida de todos os tempos memoriais e imemoriais! Aí já é demais!
Artur permanecia do mesmo jeito, calado e com cara de idiota.
- Artur! Você vai ficar aí com essa cara de imbecil? Diga alguma coisa!
- Abra as pernas.
- Puta que pariu! Porra! Caralho! Minha boceta, sem mais nem menos, resolve falar, diz que foi não um, mas os dois piores animais que já pisaram a face da Terra, eu com uma puta vontade de me atirar pela janela e você pensando em sexo!
- Você não entendeu. Abra as pernas. Deixe ela... ele falar.
Não queria reabrir as pernas, nunca mais, aqueles grunhidos roucos e abafados me oprimiam, eram uma tremenda tortura. Todavia, havia uma pontinha de curiosidade mórbida e meio masoquista somada ao desejo de que aquele pesadelo terminasse logo, além de uma vaga esperança de que minha vagina, após dizer tudo o que tinha de dizer, tornasse ao seu abençoado estado de quietude, nada de palavras, frases, períodos, orações. Sons, só aqueles desagradáveis e cacofônicos ruídos muito semelhantes a flatos que me deixavam constrangida. Cedi. Escancarei as pernas de novo. Fala, boceta!
- Cof! Cof! Porra! Não faça mais isso, por favor. Foi um custo conseguir essa concessão. Como falei antes, é só por hoje. Amanhã, volto a ser apenas uma vulva como outra qualquer. Urinarei, umedecerei, acolherei, abnegadamente, os pênis que desejem me penetrar, com vossa permissão, minha senhora, é claro.
- Tá. Deixarei você falar, ainda que isso seja um enorme suplício para mim. Mas, diga-me uma coisa: por que eu? Por que a minha vagina, dentre tantas, foi a escolhida?
- Sua preferência por negros, indígenas, ciganos, amarelos, sarracenos, judeus, mulatos, cafuzos, mamelucos, bissexuais, deficientes, et cetera e et cetera e tal. Foi o modo que o Todo-Todo-Poderoso escolheu para me punir por haver tentado, mais uma vez, limpar o sangue da decadente humanidade.
- Ei! Alto lá! Mas eu sou branco, não sou cigano, judeu, bissexual nem deficiente! - protestou Artur.
- Sim. Você é caucasiano. Não chega a ser um ariano, mas dá para o gasto. E é por sua causa que vocês estão tendo o prazer de ouvir minhas palavras... Vou explicar. Deus, conforme eu disse, é um pândego, um piadista contumaz, morre de rir com as trapalhadas humanas que ele mesmo promove. Antes de ensejar essa tremenda sacanagem que fez comigo, disse Ele, às gargalhadas: "Permito que fales, mas só por um dia. E antes que me perguntes, em verdade te digo que falarás no dia em que a mulher portadora de teu pérfido espírito se deixar conduzir à alcova por um homem de pele alva, de espírito impuro e de poucas palavras."
- Espírito impuro! Era só o que me faltava! Vou à missa todo domingo, me confesso, cumpro à risca a liturgia católica.
- E aqueles encontros com o coroinha, na sacristia, depois da missa? O que me diz? - indagou Hitler-Torquemada-Genitália-Vulva-Cona-Vagina-Boceta.
- Vou embora!
- Ah, vai não, fofo! - ele, ela de novo.
Artur bateu forte a porta do pequeno quarto. Ouvi o ronco do motor do carro, acelerou, arrancou, se foi.
- Viu o que você fez? - disse eu - Além de quase me deixar maluca com essa história de Torquemada, Hitler e o caralho a quatro, ainda me faz perder um dos homens mais gostosos que já se interessaram por mim. Além de tudo, fiquei a pé. - esqueci, por instantes, de que dialogava com minha própria boceta que era a reencarnação de Torquemada e Hitler.
- Liga não, "fräulein". A vida não é justa. Ademais, o bonitão é bissexual.
- E daí? Não deixa de ser gostoso por isso...
- Ah, esqueci que você aprecia...
- E agora, o que fazemos? - esqueci de novo que minha interlocutora não era minha amiga de faculdade. A loucura da situação estava me afetando.
- Continuemos o papo. Tô gostando de conversar com você.
- Mas... Vão rolar novas e terríveis revelações reencarnatórias?
- Não! Você, digo, sua boceta fecha o ciclo reencarnacionista, a tríade mística.
- Diga-me uma coisa... Por que nunca consigo depilar você completamente?
- Porque adoro meu bigode.
- Por que fico mais excitada quando estou menstruada?
- Porque me agrada o encarnado do sangue.
- Por que fico úmida com cenas de campos de concentração?
- Preciso responder isso?
- Você é um monstro!
- Não! Não sou e não fui! Fui uma vítima da História, assim como Judas Iscariotes, Vlad, Pol Pot, Jack O Estripador! Fizemos o trabalho sujo, que tinha de ser feito mas ninguém tinha coragem de fazer!
- Chega! Não quero ouvir mais nada! - fechei abruptamente as pernas, ergui-me da cama, vesti minhas roupas, pedi um táxi - Artur, no final das contas mostrou ser um "gentleman", tinha pago a conta.
Embarquei. O motorista me olhava pelo espelho retrovisor de uma maneira interrogativa. A julgar pela expressão de sofrimento estampada no meu rosto, indubitavelmente concluíra que eu fora abandonada. Devia estar se perguntando se meu parceiro se fora antes, durante ou depois do sexo. Imersa em meus pensamentos, distraí-me por um breve instante. Abri as pernas.
- Cof! Sua "schlamp"!
Cerrei as pernas rapidamente. O condutor olhou espantado pelo retrovisor.
- Celular... - disfarcei, dando um meio sorriso apagado.
Enfim, o táxi parou em frente ao prédio, meu prédio! Lar, doce lar! Certamente, sentir-me-ia mais segura, mais forte, no interior de meu apartamento, meu cantinho, meu refúgio do mundo. Paguei a corrida, o táxi se afastou. Acessei o "hall" e respirei fundo. Teria de subir pela escada até o quarto andar, o elevador, pra variar, estava quebrado. Pus minhas mãos entre as pernas e comprimi com força. Iniciei a subida e não parei, degrau a degrau, alheia aos aflitivos e roucos grunhidos de minha vagina. Abri a porta de meu apartamento com veemência, o impacto da maçaneta contra a parede provocou um tremendo estrondo e um grande buraco. Segui às pressas até o quarto, posicionei um pequeno espelho na cabeceira da cama - precisava acabar com o suplício - escancarei as pernas.
- Cof! Cof! Você está sendo má comigo, merecia um castigo, uma boa foda. Mas não vou te foder porque evidentemente não posso foder a mim mesmo. Além do mais, estou com uma vontade incontrolável de discursar... "Consegui meus êxitos simplesmente porque, em primeiro lugar, me esforcei por ver as coisas tais quais elas são e não como desejaríamos que fossem; segundo, porque, formada a minha opinião, nunca permiti fraquezas que me convencessem do contrário ou me levassem a abandoná-la; terceiro, porque, em todas as circunstâncias, sempre cedi à necessidade, quando como tal a tinha reconhecido. Hoje que o destino me permitiu tamanhos sucessos não serei desleal a esses meus princípios fundamentais..."
- Para! Esse sotaque, essa entonação me dão calafrios! Não quero mais ouvir sua voz!
- Você pode me calar fechando as pernas, Deus vai me calar à zero hora, mas não ficarei em silêncio para sempre! Um dia tornarei a ser homem e poderei terminar meu trabalho de purificação! A raça ariana prevalecerá sobre as inferiores e terá restabelecida sua gló... hum... hu...
Senti um aperto no coração, uma pressão no crânio, uma secura nos lábios, minhas mãos tremiam, todo meu corpo tremia. Sentia-me uma frágil boneca nas mãos de uma menina má chamada Deus, sentia-me um nada. Sentia-me mal, muito mal. A menina má arrancava minha cabeça, meus braços e pernas. Ruí. Desmoronei. Desabei. Rompi em prantos, chorei como nunca havia chorado. Entre minhas pernas, gemidos. "Cala a boca!" - gritei. Ele não se calou. Daí, veio o surto, o colapso total. Segui até a cozinha, saquei uma faca da gaveta do armário, cortei a mangueira amarela bem rente ao fogão, enfiei na boceta e abri o gás.
- Não!!! Gás não! Gás não!!!
Minha mente estava vazia. Em meu acesso de loucura, uma única, premente, desesperada necessidade: calar a voz! Peguei a caixa de fósforos, abri, retirei um - de minha boceta vinham sílabas desconexas - friccionei a extremidade contra o abrasivo... Clarão, explosão, dor, negrume...
Ouvi vozes, distantes. Abri lentamente os olhos, minha visão estava embaçada, meu corpo doía. Um vulto branco aproximou-se, voz de mulher.
- Ah, acordou finalmente.
- Onde estou?
- Hospital Central.
- O que aconteceu?
- Vazamento de gás, segundo o perito. Por sorte uma viatura do Corpo de Bombeiros passava em frente ao seu prédio no momento da explosão... Deus deve gostar muito de você.
- É. Ele me adora. Como estou?
- Você teve queimaduras de terceiro grau em sessenta por cento do corpo. Mas não se desespere, hoje em dia existem ótimos cirurgiões plásticos especializados nessa área. Agora, descanse...
- Doutora, uma última pergunta... A senhora ou alguém de sua equipe ouviu algum som estranho... proveniente... do meu corpo?
- Não, não ouvimos nada... Descanse.
Fechei os olhos. Apesar da dor, sorri. Eu vencera.
Muitos meses e muitas cirurgias depois, voltei às minhas atividades. Revigorada, refeita, quase perfeita. Dispensei o terapeuta, não precisava mais dele. Precavida, comprei um vibrador "Long Dong Extra G". Tudo ia bem, até o dia em que almocei uma apetitosa salada de repolho seguida de um saboroso doce de batata-doce, de sobremesa. Tenho certeza que meu ânus não só expeliu o flato como ainda proferiu um sonoro e efusivo "Oi!". Não foi nada fácil passar o dia com "Long Dong" enterrado no rabo, mas, como disse Bruce Lee, o filósofo: "Quem quiser vencer deve aprender a lutar, perseverar e sofrer." Sábio Bruce.

Carlos Cruz - 24/07/2009

(*) Os trechos de "Mein Kampf", os fragmentos do discurso de Adolf Hitler e a frase de Bruce Lee foram extraídos da Internet.


2 comentários:

Rosa Cardoso disse...

Já tinha lido esse. Muito bom!

Flá Perez (BláBlá) disse...

adorei@!