quinta-feira, 15 de julho de 2010

Avoando Inutilidades Pseudo-factuais

Enquanto formigas labutam em linha reta, penso torto: zune as asas da abelha ou seria o ar a festejar mais um voo? Não gosto de atritos, prefiro a sabedoria das curvas, que sempre me possibilitam ver as coisas por um ângulo diferente.

Entretanto existem algumas certezas quase retilíneas...

Toda luz que atravessa frestas rasga sombras. Nem toda luz que conheço é Sol, mas toda vida sim (a que conheço). E nem todo o escuro conhece o Sol. Essas pertinências por vezes me incomodam. Melhor mudar de rumo.

Um pardal pia e pisca suas penas rindo de mim. Ele pensa que eu não sei de nada. Mal sabe que aprendi que pedras se fingem de surdas e podem ser disfarces de estátuas ou deuses. Outros pardais pousam próximo e me olham com o mesmo desprezo. Talvez tenham razão. Só sei o que penso saber e minhas verdades não são mais verdadeiras do que as deles; muito menos minha sapiência. E só sei voar de mentirinha. Mas é tão gostoso...

(Celso Mendes)

5 comentários:

Glauber Vieira disse...

Belas e singelas reflexões, o texto ficou realmente belo.

Celso Mendes disse...

Obrigado, Glauber! Uma pequena viagem...

P. Treuffar disse...

muito bom, show de bola meu caro.

Minerva Pop disse...

Olá, muito legal o conteúdo do seu blog....temos interesses em assuntos em comum....
Convido a visitar o nosso.....minervapop.blogspot.com
Anselmo

Luiz Roque disse...

muito bom: essa musica fiz num bar inspirado numa loira muito gostoza, cheia de cerveja, sentada toda a vontade mostrando tudo, (video forró
copie o link e cole no seu navegador
ou acsse teia de aranha luiz roque
no youtube....abraçossss
http://www.youtube.com/watch?v=ePmkBi4AdK8
.
http://www.youtube.com/watch?v=01spyQr6SJQ