quinta-feira, 25 de novembro de 2010



m

5 comentários:

Nalva Nogueira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nalva Nogueira disse...

É verdade. Também eu, penso que estar-se preso ao desejo de livre ser, acaba por a si próprio aprisionar. De modo que isso pode custar ao “prisioneiro”, um tempo demasiado longo para perceber-se preso. E assim, começar uma nova busca; dessa vez não mais pela liberdade, ou pelo que este julga ser, ou sentir-se livre; e sim para conseguir aceitar, e enxergar que de fato acha-se preso. Iniciando então, uma luta para desprender-se das amarras que lhe prendem a algo que há muito, já deixara de ser a busca pela liberdade. Afinal, para buscar-se algo, precisa-se no mínimo saber, e conhecer o que se estar a buscar. E quando já não se consegue discernir o que de fato buscas, e porque buscas; ao encontrar aquilo que realmente querias, já não saberás ao certo, se estavas convicto de ser isso que encontraste; aquilo que tanto buscavas.

Nalva Nogueira.

Lupo disse...

Já escrevi muito sobre este assunto, e meus pensamentos podem ser resumidos nesses versos.

Ficaria feliz se lesse este meu texto sobre o assunto, que postei num dos blogs que faço parte: http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com/2010/10/voce-e-livre.html

Abraços Anaconda!

Talles Azigon disse...

eu penso que só seremos seremos realmente livres como passarmos a entender que de nada somos donos como diria o grande poeta Reginaldo Figueiredo, nem dono de nossos desejos

abraços

lindo poema

Giovani Iemini disse...

puro taoísmo.

bão.