sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Convidada Sonia Nogueira



Alô, 2013

O sol amanheceu olhando o dia
Colhendo em cada olhar a emoção
Mirei, pensei que a felicidade irradia
Plantando sonhos, regando o coração,

De amor, perdidos em vãos minutos
Correndo atropelando dias, horas,
Tempo perdido, atônito, e segundos
Cortando a esperança o mal aflora.

A rua está deserta tudo é silêncio,
O pensamento pousa nas lembranças,
E vi que o tempo corre nos milênios,
Quiçá num ano cheque em fianças.

Roguei aos Céus por proteção diária,
O mundo está em crise, a mão dispara,
Os homens não entendem a culinária
A fórmula da paz, a mão que ampara.

Pudesse eu domar a rebelde criação
Faria em cada lar um sólido abraço,
No mundo um só discurso de união,
Amor e fraternidade no mesmo laço.

Um ano onde o bem vencesse o mal,
As portas fossem abertas ao irmão,
Caíssem os muros e a bênção Divinal
Fizesse do amor pacote de afeição.



---


Sonia Nogueira

http://sogueira-eupoesia.blogspot.com.br/

Um comentário:

Marina Fligueira disse...

¡Pues es un delicioso poema! Que nos dice mucho sobre lo cotidiano de la vida diaria, es un canto a la misma vida.
Gracias por compartir tus bonitas letras.
Te dejo un beso y se muy feliz.