quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Nos seios fartos do meu travesseiros


Mais uma vez acordo
no auge dos meus 17 anos.
Ainda estou em casa e os sonhos
ainda são aqueles.

A poesia sexual
dança debaixo
do edredom
 são as mãos febris lutando
no escuro.

Flutuam no ar imagens
de um pornô qualquer
que fogem, feito salamandras,
pra debaixo da cama onde
dormem natimortos.

É meu trabalho decifrar esses códigos
diariamente. Trabalho duro
que me arranca o gozo.


***
poema publicado originalmente no blog do autor

Um comentário:

Jeanne Geyer disse...

Te convido a participar de um grupo no face de divulgação de blogs. Está bem legal, aguardo a tua visita. https://www.facebook.com/groups/405760246235096/

estamos te aguardando, tua presença será importante.