segunda-feira, 1 de setembro de 2014

pavão xenofóbico em versos estrangeiros

entre oxente e oh shit
fico com a estupefação:
há tantos vitoriosos, lindos e poderosos
perfeitos em suas derrotas
ao perseverar o sistema
que não amam, mas divulgam
e sacrificam-se e mentem
para ser quem não são
ou
para vender-se com a dignidade
que desconhecem
ainda que a busquem
em vitórias, lindas e poderosas
mas tão vazias quanto a busca
de algo que se despreza.
me pergunto: uai e why
tanto desperdício da simples
relação íntima e úmida
do complexo e sincero amplexo?
pra quê aparentar
se podemos apenas relaxar
nas brumas dos sonhos
ou
apreciar um sorriso infantil?
existe celebridade no anonimato
e fama na solidão.
estar só é passear consigo
muito bem acompanhado
entre os próprios espaços.
isso é forrô ou for all?
estamos tolos ou tolhidos
pela perseverança vã e confusa
e inconclusa disso tudo
que é nada.
aqui, estupefato, me pego
desejando o que não quero
nem ao inimigo.
sou o pavão xenofóbico:
pio em versos estrangeiros
o que não entendo, mas repito
senão me desvio de ser quem não sou
e deixo de alcançar o que me cansa.
oh shit!
ou oxente?

---
ou leia aqui.

Um comentário:

Brisa Petala disse...

OLÁ GIOVANE
Gostei do texto. Parabéns vc escreve com muita clareza.Um dia maravilhoso para vc.
Ana