terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Convidado Ronie Von Rosa Martins



A VELHA


Todo cão é um bicho. O homem. Bicho também. Pensou a velha. Sentada na cadeira. Rosto na janela. Moldura antiga. Vetusta imagem do tempo gravada. Nas rugas que percorriam todas as carnes que compunham o rosto da velha.  A televisão era a janela. Sempre a janela. E o fora do mundo. O seu.

A rua e sua oferta. Pobre a rua. Mas proposta. Que recusara há muito. A janela bastava. E os olhos iam longe. O que não viam criavam. Poderosos olhos de inventar verdades. Que seriam ou não.  Virtualidade latente. A semente e a árvore. A árvore em estado de vontade de ser.
Velha. Lhe chamavam carinhosamente. E sorria sempre. Dentes desgastados mas ainda presentes em sorriso espirituoso e distante. Os parentes eram memória. O marido ausência. A morte era uma coisa interessante. Pensava. No início magoava, doía. Depois afagava, acarinhava... não sabia se queria. Estava em dúvida.
Decisão difícil. Viajar para o distante... sorriu. A janela como moldura. Da rua os olhos outros sempre viam o mesmo quadro. Até a noite. No escuro. Não saia da janela. O sono não existia, parecia morte, e ela não tinha decidido.
E era com ela. Ninguém interferiria. Ela tinha o poder. Na aparente fragilidade,  uma força latente pulsava, e era nos olhos grandes e claros que se mostrava. Olhos de ver tudo. Olhos de devorar tudo. Nem a noite escondia dela seus segredos. E da janela ela via. Sem medo. Via as angústias de todos, os medos. Via os fantasmas e segredos que escapavam dos sonhos e dos tormentos noturnos. Também as fantasias e os terrores, desejos... e nem ruborizava, acostumada com as coisas humanas dos homens.
Criaturas estranhas.


---


Ronie Von Rosa Martins



Um comentário:

MPadilha (Me Morte) disse...

Depois de certa idade a vida é isso mesmo, um filme onde as pessoas protagonizam; os erros nos são percebidos, como se a velhice nos desse a sabedoria ideal para percebê-los; a gente observa e tem muito mais tranquilidade para perdoar, tanto quanto para ver o quão somos imperfeitos e, esperar a morte, só não apavora por conta das caras que nos são tão queridas e que já se foram, ora, seja o que for lá do outro lado, vou junto com aqueles que mais me são caros...
Perfeito! Um texto que explora o sentimento humano depois de avançada idade, captou mesmo, parabéns!