sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

REZANDO


Não tá fácil pra ninguém
Sem salário não há vida
Num país de desemprego
Quaisquer mil paus
Um apertamento em Benfica
Plano de saúde
Vale transporte
Vale alimentação
Um mínimo de dignidade
Salvariam
Não tenho nada disso
Abandonaram-me ao azar
Durmo de favor na casa dos outros
As refeições são da mesma forma
Agora
Definhando com dores na cabeça de mil martelos
Deitado neste colchão nojento
Sem comer
Com febre
Sem forças
Meus ditos são os piores
Outra vez
Penso em roubar, matar…
Quando falta o pão sabemos não ter ninguém
Pesando cinquenta quilos sei os responsáveis pela minha bulimia
Negaram-me feijão
A fome mata!
“Matou a facadas por um Big Mac”
Escondido no porão
Não vejo a hora de estar preso
Ter alimento pra ingerir todos os dias
Reformatórios são hotéis cinco estrelas


Pablo Treuffar
Licença Creative Commons
Based on a work at www.pablotreuffar.com
A VERDADE É QUE EU MINTO

A VERDADE É QUE EU MINTO