sexta-feira, 13 de abril de 2007

Meu Céu Pelado


meu céu pelado,
paraíso revelado
em foto de carne,
osso e pecado.

é um recanto
com nuvens,
todas muito coloridas,
com santas sem nome
que balançam atrevidas.

no meu céu pelado
o caboclo de lança
pula lado a lado
com a mulata que dança.

lá o caipirez procede,
o bacharel se embriaga,
anjo bom se excede
e até Deus faz cagada.

- viva ao meu céu pelado,
onde só é feliz
quem nunca foi batizado!
obs.: ao lado quadro de Heitor dos Prazeres

13 comentários:

Larissa Marques disse...

Meu céu também é pelado, livre de pecado, pois não cadreditor nem em céu (paraíso e nem em pecado).
Gostei muito do poema cadência e ritmo estão presentes e amei o tema. Beijo grande!
Larissa Marques.

Mão Branca disse...

sim, uma visão interessante. bem mais próxima daquilo que acredito.

Paula Cristina Monteiro Ozório disse...

viva o ritmo gostoso da poesia e a alegria de viver sem pecado e sem culpa!
PARABÉNS
PS. Tudo a ver o quadro do Heitor dos Prazeres. Até o nome do pintor se relaciona ao tema da poesia...

Thin White Duke disse...

caramba, nesse você superou a si mesmo Anderson!
ficou ótimo!
parabéns

flew!

Lameque Hyde disse...

Um poema complexo em sua simplicidade, como uma pintura naif de Heitor dos Prazeres.

Infernal visão do céu...rs

"no meu céu pelado
o caboclo de lança
pula lado a lado
com a mulata que dança".

é um referência a Folia de Reis?

Me Morte disse...

Bom cara. Uma maneira real de ver as coisas. Bom, bom.Beijos

lima disse...

Com certeza tem muita gente para viver nesse céu,porque o que tem de gente que: no dia a dia se embriaga, faz cagada e não é batizada, perdesse a conta.
Gosto muito do seu estilo de escrita.

Klotz disse...

Herege!
Herege!
Herege!
Gritaram os padres pedófilos e os carolas pecadores apontando para a nuvem colorida.

Fernando disse...

Muito bacana. Simples, bonitinho, leve. Alegre, nada de infernal, apenas a inocência feliz daqueles que se divertem; uma justificativa dada de bom grado, sem remorsos, aos olhares carrancudos dos opressores raivosos.

Muryel De Zoppa disse...

Excepcional. cara, bonito trabalho. é vero. sinto que tua arte bebe muito do popular, das cantigas. sempre vi em você (desde que o conheci)um suporte cultural para o desenrolar de meus devaneios. é pública a admiração que sempre nutri pela tua poetica, pela tua figura.
poeta de mão cheia.

lena casas novas disse...

Eu acredito que um dia vou te conhecer pessoalmente.Assim pediria para recitá-la na íntegra.Parabéns pelos versos!

Eliane Alcântara. disse...

Gostei e muito. A leitura flui naturalmente e a idéia logo se completa com o desejo de um céu pelado. Quem não quer? rs*

Matheus Costa disse...

Excelente. Mesmo. Um rítmo que nos carrega até o fim. Ah, eu adoro isso.