domingo, 24 de junho de 2007

AMIGA INANIMADA

O outono silencioso grita:

Quero uma amizade amiga!

A brisa triste abraça a tarde.

Enquanto, a carência minha vida invade.

Cadê o riso inanimado desta hora?

Minhas chagas não cicatrizam,

A tamanha dor não espera, chora.

Lágrimas salobras se destilam.

Aqueço este estado de espírito,

Provocado pelo giro geóide,

Procure por mim também, amigo!

Não apenas na minha morte

Cultivo sementes de amieiro,

Desenraizo sentimentos à revelia,

Construí teu baluarte inteiro,

Para não te deixar na imensidão vazia.

4 comentários:

Deveras disse...

"O outono silencioso grita:

Quero uma amizade amiga!"

Bom isso, poder versar as amizades e para elas. Ontem, foi em uma pré-festa de casamento de um amigo-irmão-das-antigas, na quebra, não pude dar um presente decente. Não tive dúvidas, tasquei a caneta no papel e dediquei pelo menos um poema. Isso é o que vale das amizades, até isso perdoam,rs.

ficanapaz

Me Morte disse...

Amizade é como vc Lena, some, mas qdo aparece sempre junto a essa luz. Muito belo teu poema, lindo.Beijos

[barba] Uonderias disse...

uma das melhores coisas que já li de vc aqui no Bar, parabéns

Maria Júlia Pontes disse...

Um poema sublime e caro.
Parab�ns !
bj
MJ