domingo, 12 de agosto de 2007

Beijo Cru (por Leonardo - Spoke)

A boca é íntima
A mão é pública
Pêlo púbico
Sexo privado.

Beijo é devasso
O aperto tímido
Rente a pele
Dois corpos nus.

A boca é pública
A mão vacila
Pêlo rente
Sexo cruzado.

O beijo é cru
E a língua nua
Pele viva
Três corpos quentes.

_Há quem aguente
Beijos de línguas
Enquanto gozam
Públicos despudores

.
Leonardo-Spoke

9 comentários:

Me Morte disse...

É o mais libidinoso e belo que já vi do Spoke. O meu preferido. Nem preciso dizer, perfeito! Boa estreia.

Ruy disse...

Estamos acostumados a esperar coisa boa do Leonardo. Essa é das melhores

Marco Ermida Martire disse...

Boa estréia, Spoke! Sensual.

ivone fs disse...

Aprecio seu estilo irreverente de escrever.

bj

Raimundo Ferraz disse...

Leobardo Spoke [Sapoke...pra manter o erro de digitação], esse é um dos teus poemas mais bem escritos. É uma amostra de que "língua" e "linguagens" podem escrever/dizer "gozos". Tu sabe fazer isso. Bom ler tu, meu camarada. Parabéns.

Maria Júlia Pontes disse...

Léo
Esse poema está a altura de Mr. Spoke, Fantásco!!
perfeito, ritmo, vocábulos que se encaixam com precisão...
lindo!
parabéns
MJ

Anderson H. disse...

Faz tempo que você não erra a mão. Não ia ser justo na estréia. rsrsrs Parabéns, amigón.

Muryel De Zoppa disse...

já conhecia e continuo gostando. bem vindo!

Larissa Marques disse...

Bem meu querido, acompanho seu crescimento, e acho lindo ver como um poeta desabrocha, tal lotus na podridão. "a boca é íntima/ a mão pública"
Estou muito atenta A sua subida, seu aprendizado e ler-te assim, interessante e competente me anima.
Belo poema.