quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Deixa que faço...




Seu corpo ali, estirado no tapete, com marcas de sangue por todo lado... Foi difícil, mas quando comecei não tinha mais como parar. Perdi a conta dos golpes, cinco ou seis, talvez. Minha vó já dizia: Praga ruim não morre fácil. O fato é que fez por merecer. Tirou-me de minha casa. Por sua causa, fiquei noites em um hotel frio e sujo até poder voltar.
Contratei pessoas para dar cabo de você, mas como falharam miseravelmente, vi que teria que acabar fazendo o serviço sujo. Cheguei a esta conclusão depois de me ver sem dinheiro e com o motivo de meus tormentos novamente a minha porta.
Ah, mas com certeza por essa você não esperava. Uma mulher frágil e bobona como eu jamais teria coragem para tanto! Pensou assim e se ferrou, matei-te. Com requintes de crueldade e não sabe com que satisfação olho teu corpo agora! Nunca mais terei tua presença asquerosa assombrando meus dias.
Ninguém me faz de boba!
-Alô. É da DDZUM?
-Sim. Quem fala?
-É do número 34 da Rua Frei Caneca, Bairro Indaiatuba. Vocês tiveram aqui ontem.
-Claro. A senhora ficou satisfeita com o serviço?
-Uma ova. Quero meu dinheiro de volta. E por favor, mande alguém buscar a ratazana, acabei de matar.
.
.
.
Me (foto de Mariah)

6 comentários:

Deveras disse...

Maneiro Mascaruda, conseguiu manter o suspense até o final... Chaguei a pensar que teria um membro decepado (aí) ou coisa parecida, mas qual não foi minha suspresa ao ver que era somente uma ratazana.. Menos mal, rs.

ficanapaz

Lena Casas Novas disse...

caraca, eu achava que vc tinha sofrido alguma agrassão.Essa DDZUM, tem que devolver o dinheior copm juros e correção.rsrsr

kümka disse...

kkk
legítimo conto pega-ratão... :p

Muito bom!

Klotz disse...

Me enganou direitinho.
Belo conto.
Não canso de repetir prefiro você na horizontal.
Prefiro você prosando a escrever versos, verticais.

Marco Ermida Martire disse...

Esse me lembra que amanhã tenho uma dedetização marcada! Bom andamento, ritmo de acordo! Clássico.

Me Morte disse...

Valeu amigos. Beijos