terça-feira, 14 de agosto de 2007

Tempo perdido

De todos os casos
E tantos por acaso
Que eu tive

Não vi um que deu fruto
Durou mais que minutos
Algum em que me contive

Quando presente os faço
Se os relembro ou refaço
Não sei bem o que espero

Sinto-me condenado
Quem me rouba é o passado
E o futuro é um desespero

O pior, contudo
Não é meu juiz saber tudo
O que contra mim depõe

É que, se dá tempo, não sei
Já são dez pras seis
E o sol se põe

2 comentários:

Me Morte disse...

Dizem que tem tres coisas que viciam se fizermos muito: beber, poetar e punhetar,rss
O Fê viciou nos versos, para nossa sorte e deleite. Sempre bem feito e com uma mensagem legal. Beijos

Deveras disse...

Essa roda da vida e o tempo que nos consome lentamente... Casos e acaso, muito boa a imagem.

ficanapaz