quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O mestre e a busca pela sabedoria (por Mago Eremita)

.
Foram dias e dias de uma escalada perigosa, de abrir trilhas, de consultar mapas - mas finalmente ele alcançou o Mestre no topo da montanha.

A região inóspita abrigava um monolito gigantesco - o verdadeiro cume da cordilheira. Lá estava sentado o ancião, em típica posição de lótus.

-Mestre! - exclamou ofegante o recém-chegado.

O Mestre, naturalmente, sequer moveu-se.

O viajante aproximou-se mais. O ancião tinha longas e mal cuidadas barbas, cãs caindo sobre as finas espáduas. Era raquítico e encarquilhado. E tinha ares de pouquíssimos amigos.

-Preciso da tua ajuda, ó Mestre!

-Senta. - respondeu o velho secamente, abrindo agora os olhos. E, imóvel, olhando-o de esguelha, continuou:

-Que buscas?

O recém-chegado disparou a tagarelar, eufórico, mordiscando a língua, gesticulando como louco, atropelando as sílabas e lançando cusparadas irritantes por todos os lados.

-Tenho sede e fome de sabedoria! - concluiu, tomando fôlego após a longa e disparatada sessão de palrice.

O Mestre tomou uma pequena trouxa. E dela retirou uma garrafa de Coca-Cola.

-Toma! Bebe!

Antes que o recém-chegado pudesse soltar qualquer asnice, o Mestre estendeu-lhe, na sequência, um delicioso e fumegante Big-Mac.

-Toma! Come!

-Mas... Mestre! - balbuciou decepcionado o exausto e faminto viajante.

O lanche estava com um excelente aspecto: alface, cebola, cheddar e o típico gergelim salpicado na sua abóbada. E o refrigerante! Uma verdadeira tentação, com suas malditas borbulhas de gás.

O viajante não resistiu. Devorou aquele sanduíche com dentadas vorazes, e tomou em goladas medonhas o delicioso líquido gaseificado. E nunca, nunca em toda sua medíocre vida, sentiu-se tão plenamente saciado!

Na sua parca estatura espiritual, descobriu que lhe bastava a saciedade crua e rasa proporcionada por aquele hambúrger maravilhoso e aquele líquido insuperável. Não viveria sem eles!

E, convicto disso, mergulhou novamente na Civilização.

Mago Eremita, 14/08/2007.

5 comentários:

liz 2014 disse...

como são sábios os mestres!

e q boa cozinha esse mestre deve ter, bem equipada...

:o)

(Sempre penso no efeito q teria um copo de Coca-Cola, se levado a tempos medievais... É o q eu levaria comigo, se fosse viajar no tempo pra essa época: uma garrafa de Coca! já pensou o espanto da galera, ao ver um líquido escuro e borbulhante? coisa de bruxa... claro!)

Carlos Cruz disse...

Os tentáculos do palhaço já alcançaram a montanha?

Putz...

Certa feita, implicaram com um ermitão que comeu uma feijoada na pensão da D. Maria, situada no sopé do monte.

Interessante. O conto.

Marco Ermida Martire disse...

Gostei, Mago! Acho que a idéia valia mais linhas, mas passou o recado.

Klotz disse...

Mago você foi perfeito.
Coca-cola na Terra e Deus no céu.
O Mestre sabe das coisas.

lena casas novas disse...

Quase passei sem ler.Formidável!Gostei muito!