domingo, 15 de fevereiro de 2009

Esfinge







.
.
.


Sou esfinge marcada pela própria dor,


ofereci a chave de entrada para o princípio de minha lucidez


mas você recusou,


Atordoada...


Atropelo as palavras tornando-me um hieróglifo incompreensível


E arrastada pela sua negação


vou ao ponto mais obscuro da minha condição de deusa


E estrangulo -me.


.


(Ro Primo)

3 comentários:

Glauber Vieira disse...

Bonito.

Mandala disse...

bonito e triste.
vocês concordam que pra escrever é preciso experimentar um pouco de dor?
bjs

Encontros e Desencontros disse...

Obrigada :)