quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

para um amigo

Tenho alguns amigos,
amigos meus;

Declamam poesias
arrancam suspiros
movimentos instintos
o álcool corrosivo
transpirando
o corpo úmido
colado em contato
um beijo entrecortado
palavras que se perdem
não soam, ressoam
produzindo outros lugares
outros sentidos

Um novo sotaque
uma nova dicção
ao meu tão encarecido
único (conhecido) favorito
poeta, Drummond.

Um comentário:

Sandra Santos disse...

por um momento, pensei que eram amigos bebuns do Bar do Escritor...rsss
Alercio, apesar de nem sempre ter tempo de comentar, acompanho sempre tua escrita...

Abraços poéticos, de uma bebum de absinto