domingo, 17 de maio de 2009

Solitude Noturna



Quando as luzes,
de súbito,
se apagam,

e ao redor tudo
é noite
verdadeiramente pura,
a única sem vaga
e sem lume,

vejo-me desesperado
na plena solitude,
onde mesmo ouvindo
a vida em mim,
eu não consigo
percebê-la.

então agarro-me
com todas minhas forças
à companhia
das estrelas

André Espínola

Um comentário:

Reflexo d'Alma disse...

Ei!
Lindos versos.
Bjins netre sonhos e delírios