sábado, 9 de outubro de 2010

NÃO VAI DOER NADA

Arte: Anthony Falbo

NÃO VAI DOER NADA

Adoro dentistas
Ao contrário
De quatro
Eu empurrando a janta deles pra dentro
Sou o vingador na sala de espera
Odontologia é o meu caralho na bunda deles
Masoquistas sem sangue
Dentistas deitam-te na cadeira
Olham-te de cima pra baixo
Mandam abrir a boca
Balançam sua bochecha como se fosse carne morta
Aplicam-te uma injeção maior que a piroca do Kid Bengala
Olham seus olhos e rindo dizem
Não vai doer
Na boca deles não vai
Com certeza
Na sua dói pacaraio
Enfim
Enfiam um suga baba na tua boca
Exploram-na com aparelhos de metal
Pontiagudos
Gelados
Picam a sua gengiva com o agulhão do jumento comedor de traveco
Futucam daqui
Futucam de lá
Dói aqui
Dói acolá
Humilhação suprema
Domínio total do Dr. Mau
E você ali parado
Deitado
Entregue
Piada
O dentista é o piadista
Todos são
Sodomizadores rentáveis
Ganham dinheiro
O nosso dinheiro
Pagamos caro por isso
Quando um cara pensa:
“Vou ser dentista”
Na verdade tá pensando:
“Vou botar pra fuder com os meus instrumentos de tortura”
Ninguém que trabalha com o bafo alheio pode ser normal
Dentistas Opressores Poliatômicos Sanguinários
Todo mundo sabe
No DOPS eram todos dentistas
É
O dentista é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir NÃO dor
A dor do seu paciente
Fernando Pessoa Ruim
Vou versar
Dentistas não perdem por esperar
A hora deles vai chegar
Rubem me ensinou a matar
Fonseca a cobrar
Vou exterminar todos os dentistas antes de Deus os levar
Não vai doer nada
Não em mim

Licença Creative Commons
Based on a work at http://www.pablotreuffar.com/.
A VERDADE É QUE EU MINTO

A VERDADE É QUE EU MINTO

3 comentários:

Paulo Laurindo disse...

Existem dois filmes emblemáticos sobre estes mequetrefes: Pequena Lojas dos Horrores e Maratona da Morte (neste o senhor dentista é a cara do Mengele). Fui duas vezes a uma dentista que insistia em depositar seus peitos em cima de mim enquanto me cavoucava um canal; cheguei a pedir a uma delas que fosse com calma pq eu era moço de família mas qual o que, a dona queria mais era enfiar uma broca em cada buraco do meu corpo. Por estas e outra é que decidi de uma vez por todas assumir a minha bangueleza. Aliás, duas coisas não me incomodam: dentes e cabelos, afinal nasci sem os dois.

P. Treuffar disse...

Vlw Paulo

Glauber Vieira disse...

É... é difícil passar impune em uma cadeira de dentista...

òtimo texto.