terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Esfinge


Convidado: Rafael Walter [Palavra sem Teto]

"...O nome da Esfinge é Tempo..."
(Carpindo o dia - Ricardo Pozzo)

como se toda eternidade
esperasse por um momento

e no instante, o coração bombeasse
o sentimento puro, quase inocente

e num beijo, dar a sede
do desejo insaciável

e perder-se na clara evidência
do amor existente,

latente e escondido,
na palavra escancarada

dançar então, na beira do abismo
rodopiar o mundo com a força dos ventos

velejar sem rumo
admirando a "estática" paisagem

e gritar, sangrar o peito,
tragar a vida, suspirar ao alto

ouvir o silêncio,
como bela canção

falar em línguas desconhecidas
dar tudo aos pobres

e pedir a deus, o acerto de contas
porque neste instante pairou:

_ leve, o vôo da borboleta

imagem: arquivo particular.

Um comentário:

Reflexo d Alma disse...

Delíca de versos...
leve e tão intensos...

e pedir a deus, o acerto de contas
porque neste instante pairou:

_ leve, o vôo da borboleta

Bjins entre sonhos e delírios