quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Ítalo Calvino - Os nossos antepassados


Aproveito meu espaço para recomendar a leitura de três livros do Ítalo Calvino, um escritor nascido em Cuba, mas que seguiu ainda no colo para a Itália, onde despontou para a literatura.

As obras são: "O cavaleiro inexistente", que conta a história de uma armadura vazia em suas batalhas e dilemas na época das Cruzadas; "O barão das árvores", sobre o teimoso primogênito de um barão que, após uma briga com o pai, promete nunca mais pisar o chão; e "O visconde partido ao meio", que conta a história de um nobre literalmente dividido, por uma bala de um canhão turco, entre uma parte excessivamente boa e uma parte excessivamente ruim.

Os livros compõem a trilogia "Os nossos antepassados" e são - como já deve ter dado para notar pelas sinopses - obras de realismo fantástico, dotadas de um contexto histórico, mas com ares de fábulas. Os livros conduzem o leitor por um quebra-cabeça da formação do que chamamos de "homem moderno" - alienado, dividido e incompleto - e podem ser lidos em qualquer ordem, uma vez que não há relação direta entre os enredos. O caráter lúdico das histórias, quase infantis, torna a leitura prazerosa - diria até relaxante, são daqueles livros que fazem o relógio andar depressa, que te fazem descer alguns pontos depois de onde devia, essas coisas de leitor que se desprende do resto do mundo.

Não pretendo falar mais dos livros porque espero que os que se interessarem leiam eles por inteiro. A trilogia foi publicada no Brasil pela Companhia das Letras e há, inclusive, edições mais recentes - e que cabem no bolso - de "O cavaleiro inexistente" e "O barão nas árvores".


ps: uma curiosidade é que logo depois de ler "O visconde partido ao meio", li "O homem duplicado", do José Saramago, e é impressionante como os argumentos das obras se entrelaçam. Se puderem, sigam este roteiro, vale a pena.

Um comentário:

Ju disse...

Boa dica! - ainda não li "O visconde partido ao meio", mas vou procurá-lo e também "O homem duplicado".