sábado, 12 de fevereiro de 2011

Fim de tarde


A fina garoa da tarde
se sobressai na linguagem dos corpos
ávidos por um desejo incontrolável
que incomoda o mundo,

Palavras,saliva, partículas, tudo se torna um...
Enquanto observamos o pôr -do -sol laranja e calmo
nas curvas das sombras maliciosas do toque

Gotas de sonho e suor se misturam
com a límpida água que cai do céu
que mesmo em meio a luxúria nos purifica

Nas ventanias trazida pelas tardes de verão
orgasmos sussurrados delicadamente entre nuvens
transforma o eterno em efêmero.

(Ro Primo e Alano)

2 comentários:

Anônimo disse...

Um belo poemA~Um versejar refinad0.
^^Uma inspirada parceriA^^
!!ParabénS!! BeijoS & PoesiA

Carlos disse...

"linguagem dos corpos
ávidos por um desejo incontrolável
que incomoda o mundo"

Mágica do início ao fim.
Você sempre me surpreende, e sabe disso.

Meus mais sinceros parabéns.