quinta-feira, 17 de março de 2011

Réquiem para um sonho

quando morre um sonho
ele não se vai sozinho,
carrega consigo
o seu dono.

é preciso ser fênix

e renascer através
de pequenos sonhos
desalmados.

André Espínola

4 comentários:

Giovani Iemini disse...

ahhhhhhhhhhhh, fera, eu nunca perdi as esperanças.
gostei.

Barbara Leite disse...

Ma-ra-vi-lha!
Beijos pra vc e pra Recife!

Trilogia da Superação disse...

A vanguarda de poetas brasileiros, está vagando por essas páginas. Os falsos estão nas mais visitadas.

Nalva Nogueira disse...

RENASCER... REPENSAR... REFAZER... Enfim, REDEFINIR metas, é o que deveras devemos fazer quando para fora de nós, os sonhos parecem ter ido.

ADOREI, André...

Beijo!

Nalva Nogueira.