quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Ser de água

Somos todos seres de água e da água e, apesar disso, não sabemos cuidar de nossa essência, fonte de toda vida do planeta.


tenho na mente
a memória da água
que me criou
que me lavou
que me saciou

tenho na mente
a água com qual me unges
e a com que te inundo e fecundo
a água que me purifica
circula-me o ar
verdeja-me os olhos
azula meus mares

é essa
a memória
que eu queria levar
às nuvens
antes de chover
como tantas e tantas vezes
para poder escorrer puro
de novo
e de novo
e de novo
até secar
de vez

(Celso Mendes)

2 comentários:

Alê disse...

Maravilhosa alma!

manuela barroso disse...

Água em toda a parte onde há vida, onde há seivas, onde houver um poeta com a profundidade da alma cravada também na pele!
Obrigada meu querido amigo Celso, por esta grande pérola. Mais uma para este colar poético!
Fraterno abraço