sábado, 21 de dezembro de 2013


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quanto de mim são lágrimas?

Quanto de mim sorria?

Quanto de tudo de mim

Jogado pelos cantos

Qualquer sorte bastaria?

(ou moderno aspirador hidráulico modelo luxo XW 6,02 x 10²³ se encheria?)

 
Frações..., inteiras porções

Em potes de fracassos.

Uma poção diluída

E, da prateleira me fitam

Dois olhos extremamente cansados.


O que restará ao fim,

Se algo ainda vibra?

Rarefeita sombra,

Reflexo da luz

Que insiste em dizer vida.
 
 
 
Foto de Angela Gomes (Espetáculo de Natal na Praça Santos Andrade, Curitiba, Dez 2013) 

2 comentários:

Joaninha Musical disse...

Muito,muito lindo o poema que aqui foi escrito,gostei muito de ler. Boas festas,beijinhos e até breve!!

Anônimo disse...

Muito grata, Joaninha Musical :)

Também desejo para você, um Natal de muita harmonia e um Novo Ano repleto de realizações!

Saudações!

Angela Gomes