domingo, 18 de maio de 2014

Praça no Meio do Nada



ao lado da estrada
no caminho
entre os nadas,
ainda hei de construir
uma praça
pra nós dois.

canteiros com flores
rosadas,
dois banquinhos
debaixo das árvores,
e um espaço
pra levantar nossa estátua
depois.

mas já ficamos nela
sentados,

bêbados de vinho,

vivendo o que ainda
não foi.

André Espínola

3 comentários:

Malu Silva disse...

Passando para dizer que mudei definitivamente de espaço. O Infinito Particular está finito e agora poderá me encontrar neste link

www.euflordealfazema.com

Vou adorar receber uma visita sua!!!

geraldo trombin disse...

boa... muito legal essa praça...

MPadilha (Me Morte) disse...

Lindo poema!