quinta-feira, 12 de junho de 2014

Tango para a nossa morte


Auréolos corpos
tangam na noite:
esses segundos,
quem os fabrica?

Por trás das peles
estranhos fogos
— deus & o diabo
num beijo eterno!

Esses segundos
são mais que séculos,
entanto escoam

por entre os sexos.
Depois do tango
não há mais tempo.

***
mais poemas do autor aqui

Um comentário:

ॐ Shirley ॐ disse...

Os sentimentos mais bonitos são tão passageiros...
Bonito poema.
Beijo, Andre!