quinta-feira, 26 de abril de 2007

Primeiro beijo

Eu estava confusa. A mão dele nunca me pareceu tão fria, nem mesmo daquela vez que dormimos na chuva esperando o veterinário abrir o consultório. O médico chegava às seis da manhã, daí a passarmos a noite protegendo o Plock, o cachorrinho dele. Tínhamos dez anos de idade na época.

O rosto dele nunca esteve tão próximo por tanto tempo, nem mesmo daquela vez que nos escondemos do Bartolomeu, um velho que odiava crianças. Nós atiramos um ovo na varanda de sua casa e fugimos para onde estava sendo construído o futuro ginásio da escola. Ficamos em um bueiro até ter certeza que o velho desistira de nos pegar. Tínhamos doze anos na época.

Nunca havia sentido a respiração dele tão ofegante, nem mesmo daquela vez que tivemos que correr quatro quarteirões para alcançar o carro da mãe dele. Ela havia esquecido a bolsa, o relógio e os óculos. Tínhamos quinze anos na época.

O coração dele nunca bateu tão forte, nem mesmo daquela vez que fomos conferir o resultado das aprovações do vestibular. Quando deparamos com nossos nomes na lista de aprovados, eu em letras e ele em jornalismo, pensei que carregaria mais uma vez ele desmaiado para a enfermaria do colégio. Tínhamos dezoito anos na época.

Ele nunca me olhou dessa forma, nem mesmo daquela vez no campus da universidade, quando colocou os meus livros no chão e deu-me o que viria a ser o nosso primeiro beijo.

Tantas sensações, tudo ao mesmo tempo. Sem pausa, sem descanso. Agora só me resta rezar para a ambulância chegar logo, enquanto vejo o sangue dele escorrer pelas ferragens destruídas do meu carro.

11 comentários:

Deveras disse...

Como diria o Véio: Táquepariu!

O cara demora dezoito anos para dar uma beiçada na mulé, aí cê mata ele logo depois ? Só falta dizer que o acidente foi na noite da colação de grau... Sacanage, seu Barba!

Belo conto cara. No que a gente espera algo, acontece um acidente, putz...

ficanapaz!

Mão Branca disse...

g+e=ge
n+i=ni
a+l=al
ge+ni+al= GENIAL!

Sr Uonderias, foi um dos melhores contos que já li aqui na internerd. Selecionei para o ezine.
Ferpeito, sem tirar nem pôr.

Me Morte disse...

Muito bom! Cara, tu surpreendeu do início ao fim. Tudo prendeu a atenção, história, final, sentimentos, todos completos.Perfeito! Esse conto não precisava jamais de um final surpreendente (e teve), por si só ele já o é. Parabéns.Beijão

Lameque Hyde disse...

Grande Barba! sensacional!

Com um domínio perfeito da narrativa e aquele final surpreendente e estonteante que um pequeno conto deve ter.

Digno de figurar nas listas de premiados de qualquer concurso literário.

Klotz disse...

Faz tempo que não bato palmas de pé. Belo conto. Criativo e original. Parabéns.

Thin White Duke disse...

tão belo quanto cruel!
mto bom mesmo... o final é totalmente inesperado, o leitor fica até com pena do cara eaiuehaiuaehea

mto bom!

aurelia disse...

Muito legal...
Bastante interessante e criativooo...
Amei!
Voltarei sempre aqui!
bjos!

Muryel De Zoppa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Muryel De Zoppa disse...

bonito processo, o narrativo. sensível, expressivo.
pasmo!!!

Anderson Henrique disse...

Só me resta concordar e bater palmas.

[barba] Uonderias disse...

faltou apenas a data
desculpem

datado em:
26.03.06