terça-feira, 29 de maio de 2007

Sacrifício


No ápice dos meus atos
Traído por um judas
Vi o meu mundo se fechar
E uma salvação no fundo do poço

Nos sons da minha destruição
Andei até o fim
Com a dor marcada no corpo
Pela libertação da minha alma

Atormentado por não entender
Subjugado por hipócritas
A obra desmoronou
Na eternização da minha história

2 comentários:

lena casas novas disse...

Lirismo a flor da pele...
Nossas atitudes são excitantes para o desenvolvimento de poesias.Gostei das suas palavras, Claudia!

[barba] Uonderias disse...

gostei!