domingo, 26 de agosto de 2007

Ele & Ela

Ela caiu. Deslizou pela superfície macia e foi parar ao chão depois de uma queda de aproximadamente um metro e setenta. Ele não sabia explicar aquilo. O que teria causado isso? Que motivos levaram-na a cair? Talvez a resposta estivesse em seus pensamentos mais obscuros, os que ele mesmo negava.

Tudo acabou sedimentando a tal ponto que ela caiu: as desilusões, as mágoas, todas foram se acumulando e assim ela se deu a cair. O filme triste a que ele assistiu também fora responsável. Sem contar a solidão, a saudade, o medo, a amargura, a insegurança. Porém nunca lhe ocorrera que ela viesse a cair novamente, não agora que ele jurava de “pé junto” que estava bem. Seria possível que ele até soubesse o real motivo de tudo aquilo, mas não admitiria jamais, nem para si mesmo.

Houve um tempo em que ela caia todos os dias, em certas ocasiões mais de uma vez. Há muito cansou de vê-la. Não havia motivo para espanto - acabou percebendo - mais cedo ou mais tarde ela teria que ir ao chão de novo.

Acabou tentando lembrar os meios que a faziam cair com freqüência. Começou pelo óbvio, as sensações que lhe incomodavam. A aflição, o desconforto, o desprazer, até mesmo a dúvida. Muitas músicas também a faziam cair – recordou-se. Cenas nos jornais, nas ruas, no colégio. Foram vários os momentos que ele a viu, é impossível citar todos.

Antes de dormir pensou mais um pouco, lembrou que também ela caíra em momentos alegres. Sim. Por que só agora ele havia notado? Ela só pode ter caído por isso: alegria. Quando constatou que era verdade viu seus olhos brilhando de felicidade no espelho. Foi então que ela caiu. Deslizou pela superfície macia e foi parar ao chão depois de uma queda de aproximadamente um metro e setenta. Ele, um simples garoto. Ela, uma não mais triste e amarga lágrima.



*sei que alguns gostariam de ler mais sobre o Carteiro, mas não me encontro em minha casa
não tenho meus textos aqui
sinto muito

6 comentários:

Me Morte disse...

Um texto de sentimentos femininos, muito bem descritos, a lágrima e seu trajeto. Parabéns Barba, paelo talento com que descreveu.Beijo

Marco Ermida Martire disse...

Ficou legal, tive que reler sabendo da surpresa. Queria mesmo saber do carteiro...

o sacerdote disse...

Confeso que a revelação faz toda a diferença do texto, mas de certo muito profundo e belo! Que caiam nossas lágrimas!!! beijos n'alma

lena casas novas disse...

Vamos viver falando dele, e eles em nós!(risos)

Marina Rosas disse...

caramba! tão bom ler esse texto depois de tanto tempo!
me lembrei da primeira vez que o li... de quando você estava produzindo muito, e sempre trazia alguma coisa nova pra gente ler ou ouvir no meio da aula.
não preciso dizer que tá ótimo, mas estou aqui repetindo!
bjo enorme!

medusa que costura insanidades disse...

Bárbaro,adorei...fiquei em devaneio total e ao cair na realidade , me encantei demais.Bela regência