sábado, 25 de agosto de 2007

GREEN EYES

green eyes


Sentou-se desolada no chão sujo da grande avenida, antes tumultuada pelos transeuntes, e desatou a chorar; chorou de soluçar, evoluindo para um pranto descontrolado e um alarido descomunal, enquanto a chuva molhava seu corpo apático.

Comparava sua vida àquela famosa avenida, onde repousava seu corpo junto ao meio-fio; a minutos atrás, a mais disputada e movimentada, agora, a mais solitária e erma.

Lembrava-se dele com a alma aos frangalhos, sentia seu cheiro, seu pulso, seu membro desfigurando-a desde o alvorecer ao anoitecer, sua língua passeando por sua vulva até arrancar-lhe os sentidos e seu gozo sincronizado ao dele, que lhe causava sempre a sensação de uma pequena e lenta morte. Ah, como desejava aquela morte!

Fechava os olhos marejados de lágrimas e via seu rosto coberto pela barba cerrada, os cabelos longos e principalmente o par de olhos verde bola-de-gude, como ele mesmo os definia, por não possuírem um verde puro e definido. Como amava aqueles olhos! Lembrava-se das promessas dele de que se um dia partisse, deixaria seus olhos de presente.

Desejava-o mais que a própria vida; haviam vivido durante aqueles longos e arrastados anos de amor e violência, a mais pungente obsessão. Separaram-se vez por outra, apenas para recobrarem o relacionamento com um desespero enlouquecedor.

Mas não era só tesão, havia sim, um amor doentio peculiar de suas personalidades exóticas, além de uma cumplicidade patética e febril, não só na cama, mas na vida.
Contudo, tinha a certeza do diagnóstico: era o fim, o verdadeiro e irrefutável fim!
Chegaram as mais profundas raias da loucura, experimentaram tudo: cortaram-se, magoaram-se, machucaram-se, sangraram. Puxou a blusa de lado e observou o sangue estancado do corte de navalha da ultima vez em que fizeram amor, jurou que a marcaria para sempre, mal sabia que sua alma já estava rabiscada há mais tempo!
Na manhã seguinte, foi encontrada gelada e tiritando de frio no chão sujo. Levada para casa, recusava-se a alimentar-se e a doença avançava a passos largos; quanto mais febril e fraca, mais visões lhe apareciam. Amava-o todos os dias no recôndito de sua patologia.

Entretanto, a primavera chegou com toda força varrendo a aridez do inverno e seu corpo parecia reagir junto com o clima- sua mãe dizia que a mudança de estação levava consigo as doenças.

E estava correta em suas sábias palavras, Rebeca ressurgiu das cinzas, tão bela e forte como antes. O moço dos cabelos ao vento era só uma figura do passado, tão longe, tão longe quanto o tempo gélido de outrora.

Na ciranda da vida, conheceu outros homens, outros lugares, apesar de manter seu coração a salvo do desatino da paixão, quando em uma noite, deparou-se com seu algoz- seus pés cambalearam e uma forte pancada irrompeu-lhe o ventre.
Cumprimentou-o e deslizou teatro adentro, na tentativa de furtar-se ao seu olhar perturbador. Mas seus olhos verdes a buscavam por toda parte, incessantemente, até encontrarem os dela.

Saiu correndo antes do término, mas não conseguiu ignorar sua ligação no dia seguinte, nem tampouco, o convite para um jantar, onde prometeu levá-la ao altar, acaso reatassem. Ela também não conseguiu recusar e casaram-se, sem formalidades e delongas, um mês depois.

Agora ele estava frágil e dependente, ao passo que ela demonstrava-se cada vez mais liberta de seus domínios. Longe de seu jugo, sua beleza desabrochava na medida em que ele regredia, sobravam-lhe apenas os belos olhos.

Consumida ainda pela mistura de amor e vingança, conservando os mais puros e devastadores sentimentos à flor da pele, ela desencadeou um tórrido romance com seu cunhado, transavam diuturnamente, intercalando todos os cômodos da casa.

Com a escassez do sexo, a acidez do tato e a indiferença de sua presença, ele foi pouco a pouco enlouquecendo; rapidamente, adquiriu a doença do amor, enclausurou-se em si mesmo e morreu em vida.

Até que um dia, cambaleando e arrastando-se sobre suas frágeis pernas, ele deparou-se com o objeto de sua obsessão sendo violentamente devorada pelo sangue de seu sangue. Chorou ao mesmo tempo em que o semên do outro escorria pela vagina trêmula de sua amada.

Resfolegou, levou seu corpo até o quarto, lançou-se na dureza do solo, castigou sua alma com a recordação de minutos atrás e esquartejou-se com a lâmina afiada da navalha.

No dia seguinte, foi encontrado sem vida junto à cama, nu, ensangüentado, com a adaga a atravessar-lhe o local desenhado à tinta guache escarlate no peito e o par de olhos jazia em uma de suas mãos.

Ela recolheu as pseudo-bolas-de-gude, arrumou suas malas e desapareceu. Dizem os viajantes, que a cada mês, é possível vê-la dançando junto aos cabarés do mundo com dois olhos na mão, cantando uma triste melodia que diz:- os olhos são a candeia do corpo, se teus olhos forem bons, todo o corpo o será, mas se seus olhos forem trevas, quão trevas haverão em ti!

9 comentários:

leba casas novas disse...

O dsesenrolar...leva ao clímax do prazer nesta leitura.Li, calmamente, queria ler as entrelinhas também!

Kumka disse...

Espetacular, já te disse.
:)

Marco Ermida Martire disse...

Muito legal! Mandou bem neste conto...

Paulão Fardadão disse...

Green hair, purple hair... esqueci o resto...

Me Morte disse...

"Que Nosso Senhor perdoe os meus ciumes, quando penso em cegar os olhos teus, pra que eu, somente eu, seja teu guia, o dono dos teus olhos, a luz dos olhos teus."

Lindo conto! Amo as paixões insanas da literatura. O sabor, a força, a loucura, mesclada com a posse e o amor desmedido. Adorei.

Muryel De Zoppa disse...

(re)li e continuo gostando.

[barba] Uonderias disse...

eu sabia que vc postaria aqui no blog
não havia terminado de ler na comunidade
mas reli todo aqui!

o sacerdote disse...

Queridos amigos

Gostaria de agradecer a leitura e os comentário. Pretendia postar algo inedito, mas o pouco tempo não permitiu tal coisa.
Beijos a todos e até dia 25 novamente.
Saudaçoes sacerdotais

Angela Gomes disse...

Bárbaro!! Excelente!
Apaixonante!