domingo, 4 de maio de 2008

Dos modernos amores e breves quereres

Eis o resultado da equação: dois.

Somatória
de um mais um
conjunto, portanto

Se querendo
por tudo
e tanto quanto
podiam se querer

Era a vontade do duo
a vontade de ter
outro alguém a quem se devotar
outro alguém para amar
outro alguém para dizer:
"eu te amo"
idem, também

Ela, rainha da palavra
ele, escravo do escrever
juntos
no entanto
chama ígnea
do fogo sacrossanto
insensato
como acalentar uma quimera
pela eternidade finda
de toda uma era
repleta de declarações
de difusos quereres
de amores e juras
da junção dos seres;

Hoje, anda ela com tenores
e outras gentes
ele, queda caído
nos bares adjacentes...

3 comentários:

medusa que costura insanidades disse...

muito bom Cris, passeias em linguagens variadas sem nunca se perder
Admiro tua postura e intervenção

Larissa Marques disse...

filosófico, como não poderia deixar de ser! Eita, que é Deveras!
Orgulho de ter-te amigo!
Beijoca!

Verinha disse...

que benção, que maravilha,,que maximo vc... quanto prazer ter tua amizade,,um abraço