sábado, 17 de maio de 2008

duas vidas no interior




queria acordar
com teu beijo
mudo

ouvindo o desperdador
dos pássaros,

e cedinho
entrar no teu
corpo

pra avisá-lo
que
o dia
começou.

queria ver
o cair da tarde
sentado
no banquinho da praça,

o sol repousando
no horizonte

e minha mão
na tua

repousada.

com uma chuva
fininha,
na volta pra casa,

compraríamos pão
quentinho
pra comê-lo
debatendo sobre
os pesadelos
do dia.

à noite queria
me sentar à varanda
ouvindo blues
e tomando cachaça rainha,

até ficar bêbado
e ascender teu título
de princesa
para rainha.

e quando o frio
lá fora
trouxer a neblina
até pra dentro de casa

queria dormir
agarradinho,
teu corpo sendo
meu sol

em meio à
madrugada.

André Espínola

2 comentários:

Jessiely Soares disse...

Muito bom!!! Aliás, você escreveu a nossa vida... Ai saudades! E a foto? Minha terrinha.

=DD

Amo tu, menino!

Poeta Vagabundo disse...

babonnaaaaa
aeiuaeheaiuhae

brigado amor
:*