segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Convaidada Allanna Menezes



 Fim de estiada

chuvarada
.
o que tanto pesa
nesses
que caiam
que tanto pinga
desses olhos
e tanto pesa
tanto chove
nessa cara
já nem sei se é
mesmo amor
ou outra peça
----------------------------------
tiro o mundo da tomada
preparo um café
e a velha cadeira,
herança de avô.
é,
com chuva
me deixam assim
fechada para balanço.
--------------------------------------
da janela espiava a chuva
afinada em si
fina, tão fininha
mais parecia
seus cabelos, vovó
num coque
conforme o vento
e o tempo
---------------------------------------
chuva
cor de nada
feito vento
ou feito deus
por isso
insiste em deixar
multicor
esse céu atrás de si
------------------------------------------
quando saí do trabalho
a danada me esperava
molhada como sempre
e eu ali, duro
.
sem dinheiro pro táxi.
me encharquei todo.
------------------------------------------
elegia da chuva
nada mais fazia senão chover
chovia por poros abafados em tule preto
e seguia o gotejo
e seguia o cortejo
.
---
Allanna Menezes

2 comentários:

liz disse...

adorei esse negócio de tirar o mundo da tomada;;; e cadeira de balanço de avô.

Muryel De Zoppa disse...

lindos.