sábado, 16 de maio de 2009

O que sei do que sou

Sou fruto que sorri o meu maduro
a qualquer boca esfomeada

nau sem bússola
que sabe o caminho
buscando coragem nas paradas

devastadora de almas virgens
mendiga de entender o outro

Faço fronteira com o impossível
desfilando paixões por trigo e por
joio

Coleciono saudades, esperanças
e buquês
Um estoque de amanhãs, panoramas
e porquês

No ventre
um filho que ainda não tem pai
nem vida, nem certeza

Nos pertences
delírios em excesso pra qualquer ocasião
papel , lápis e batom

Eu sou poeta
amante dos futuros

a retina que dobra a
esquina
em busca de assunto

3 comentários:

Reflexo d'Alma disse...

"Eu sou poeta
amante dos futuros"

Somos!!!
Delícia de poema.

Bjins entre sonhos e delírios

Iriene Borges disse...

Delicia mesmo!

Iriene Borges disse...

Delicia mesmo!