sábado, 22 de outubro de 2011

Relento



Na janela embaçada

o coração, riscado a dedo

derreteu aquele gelo




Um comentário:

Glauber Vieira disse...

Belas imagens!