sábado, 7 de dezembro de 2013

Ode aos Açougueiros


 

escrevi um poema sanguinário 
chamei-o de “ode aos açougueiros

já de cara, sem dó nem piedade fui lá e 
cortei do poema a perna do p

mandei num envelope pardo a orelha do livro
pedi resgate

não lido, enfiei fundo a faca no coração do til
e vi a cedilha sangrando escorrendo na página

sobrou à minha frente na mesa de aço
um poema manco

[com o corac    
a  
o


mutilado

3 comentários:

Fernando disse...

Olá.
Que ode é essa hem.
Perfeita :)
Grande abraço
Blog Fernu Fala II
Siga no Twitter

Joaninha Musical disse...

Está super engraçado este teu poema querido robisson,gostei imenso de ler. Beijinhos e um excelente mês de dezembro para ti!! Fica com deus e bom fim-de-semana!!

Vanderley José Pereira disse...

Simples e genial.