segunda-feira, 14 de junho de 2010

Nossas Memórias

Lembro de um banquete leve para dois,
sabores sensitivos e afrodisíacos,
a malícia de nossas faces marcantes,
bocas provocantes e corpos quentes.
Nos trajávamos com fantasias,
desejoso a abracei intensamente,
o cheiro e calor me excitaram,
seus pêlos arrepiaram
enquanto te agarrei.

Mascarada e coberta deitou-se
em meu divã enquanto a analisava
para descobrir os encantos
um pequeno corpo libidinoso,
que lentamente se despia
provocando-me com seus lábios.

Na longa e extasiante noite
chocolates derretiam aos beijos,
nossas peles atritavam-se
e atingimos o apogeu do prazer.
Acabou-se tudo, mas lembrarei
Que essas são nossas memórias...


- Mensageiro Obscuro.
Abril/2008.


Foto: Foto romântica sem referências encontradas. Adquirida no Google Imagens.

3 comentários:

Salvador d'Almeida disse...

um banquete como deveriam ser todos os banquetes os de palavras e os outros

Paulo Laurindo disse...

Maravilhosa hecatombe!

... disse...

É meu amigo, só existem as nossas memórias. Ratificando a célebre frase de Waly Salomão:

“A memória é uma ilha de edição”. ...

Ou seja, não existe o fato em si, só o pensamento sobre o fato.

Muito bom garoto, aprovado!